Esquerda inglesa convoca Piketty e quer “imposto Robin Hood”

Depois de virar assessor do espanhol Podemos, Piketty se junta ao Nobel Stiglitz em comitê do Partido Trabalhista britânico que vira à esquerda

São Paulo – Em maio, o Partido Trabalhista do Reino Unido perdeu feio a eleição que reelegeu o primeiro-ministro David Cameron, do Partido Conservador.

A julgar pelo que houve desde então, os trabalhistas concluíram que a solução era se mover para a esquerda.

Há algumas semanas, o partido elegeu como líder Jeremy Corbyn, socialista com uma plataforma anti-austeridade, anti-guerra e que pede pela nacionalização do sistema ferroviário e controle de aluguéis, entre outras propostas. 

Ontem, foram anunciados os membros do comitê que deve se encontrar trimestralmente para ajudar a formular a política econômica do partido sob orientação do “chanceler paralelo” John McDonnell.

Na lista estão Joseph Stiglitz, vencedor do Nobel de Economia em 2001, e a professora Mariana Mazzucato, uma das maiores especialistas do mundo em inovação (veja entrevista).

Mas dos 7 nomes, quem mais chama a atenção é Thomas Piketty, francês que se tornou celebridade internacional com o bestseller “Capital no Século XXI”, radiografia exaustiva do aumento da desigualdade no mundo desenvolvido.

Piketty já havia sido anunciado há algumas semanas como conselheiro do novo partido espanhol Podemos, que defende alternativas à austeridade e tem ganhado espaço nas eleições locais.

Sobre seu novo papel na Inglaterra, o autor francês diz que “há uma oportunidade brilhante para o Partido Trabalhista construir uma economia política nova e fresca que vá expor o fracasso da austeridade como foi feita no Reino Unido e na Europa”.

O que já se sabe é que o partido vem se organizando em torno da proposta de criar uma taxa sobre transações financeiras com títulos, ações, moeda estrangeira e derivativos.

Conhecida como “Imposto Robin Hood”, a proposta é antiga e conta com apoio da vários outros países europeus para uma implementação transnacional.

McDonnell, que tem um discurso importante sobre economia marcado para hoje, disse para a BBC que a taxa “é a política do Partido Trabalhista na base de que possa ser introduzida globalmente, e essa tem sido a política do partido já por um tempo agora”.

O centro financeiro de Londres, o governo e vários grupos de negócios se opõe frontalmente à medida, que segundo alguns estudos, causaria perdas bilionários para os consumidores e a cidade.

Com aumento de 12 pontos, Londres superou Nova York e voltou ao primeiro lugar no último ranking de centros financeiros mais importantes do mundo,

O relatório atribui as notas mais altas à menor incerteza desde a decisão da Escócia de não se separar e à reeleição de Cameron.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s