Setor naval entra em colapso e estaleiros fecham no Brasil

Estaleiro Inhaúma é o último a sucumbir a uma crise que elimiou quase metade dos empregos da indústria naval no país

Se existe um setor onde todos os retrocessos políticos e econômicos do Brasil se encontram é o da construção naval.

Um estaleiro do Rio de Janeiro onde a presidente afastada, Dilma Rousseff, certa vez prometeu empregar um exército de peões para produzir plataformas de petróleo feitas no Brasil, está prestes a fechar as portas.

Dia sim, dia não, 50 trabalhadores em média entregam seus capacetes e são demitidos, segundo o sindicato que os representa. Mais de 5.000 trabalhavam no local no final de 2014 e a expectativa é que até o fim do mês todos tenham ido embora.

O estaleiro Inhaúma é o último a sucumbir a uma crise que eliminou quase metade dos empregos da indústria naval do país nos últimos dois anos, deixando empresas falidas e credores sem pagamento.

Também representa o fracasso dos planos do Brasil de usar o pré-sal para construir quase do zero uma indústria offshore de ponta que competiria com os estaleiros asiáticos e abasteceria a Petrobras.

A estatal, que havia concordado em pagar mais por plataformas nacionais para ajudar a ativar a indústria naval, não obteve desconto ao reenviar os trabalhos para a Ásia.

Os planos de crescimento naufragaram. O preço internacional do petróleo caiu, a petroleira se enterrou sob a maior dívida do setor e virou foco de um megaescândalo de corrupção.

O Brasil entrou em recessão e a presidente que fez as promessas de pleno emprego passa por um processo de impeachment.

“É uma combinação de crise econômica, crise política, baixos preços do petróleo e escândalo de corrupção, tudo junto”, disse o sindicalista Jesus Cardoso, que vem assistindo os trabalhadores do Inhaúma nas demissões.

Quatro navios deveriam ter seus cascos convertidos no estaleiro Inhaúma por US$ 1,7 bilhão e produziriam 600.000 barris por dia, ou cerca de 30 por cento da produção de petróleo do Brasil.

Dois deles foram completamente convertidos pelo COSCO Shipyard Group na China e um terceiro foi enviado ao Brasil somente para os retoques finais.

Apenas um dos trabalhos de conversão, do casco da plataforma P-74, foi feito no Brasil, com dois anos de atraso no cronograma.

Para atender aos planos de expansão da Petrobras, o Inhaúma foi completamente reformado pela empresa que ganhou os contratos de conversão, Enseada Indústria Naval.

Os presidentes da Odebrecht, da OAS e da UTC Engenharia — que controlam 70 por cento da Enseada — foram presos e condenados por corrupção.

A Enseada preferiu não comentar sobre o contrato com a Petrobras para obras no Inhaúma devido a um acordo de confidencialidade. A Petrobras não respondeu a um pedido de comentário.

Apenas no Rio e em seu entorno, cerca de dez estaleiros e canteiros de construção próprios da indústria naval fecharam as portas, entraram com pedido de recuperação judicial ou interromperam as operações quando as encomendas desapareceram, disse Cardoso.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s