Governo central tem déficit primário de R$ 25,07 bilhões

O governo formado por Tesouro, Banco Central e INSS teve o pior resultado para fevereiro desde o início da série histórica em 1997, segundo o Tesouro Nacional

Brasília – O governo central (Tesouro, Banco Central e INSS) registrou déficit primário de 25,07 bilhões de reais em fevereiro, pior resultado para esses meses desde o início da série histórica em 1997, em meio ao cenário de fracas receitas diante da economia em recessão.

O rombo nas contas públicas veio quase duas vezes maior que o saldo negativo de 13,10 bilhões de reais esperado por analistas em pesquisa Reuters. Nos dois primeiros meses do ano, o déficit somou 10,274 bilhões de reais.

O desempenho de fevereiro foi fortemente afetado pela queda real da receita líquida total, de 13 por cento sobre igual período de 2015, a 67,397 bilhões de reais, informou o Tesouro nesta terça-feira.

Em contrapartida, a despesa total mostrou avanço real (descontada a inflação) de 8 por cento, a 92,467 bilhões de reais, mesmo com corte expressivo no desembolso do programa Minha Casa, Minha Vida, de 32 por cento no período. Segundo o Tesouro, o aumento da despesa em fevereiro foi impactado pelo crescimento de 32,3 por cento em “outras despesas obrigatórias”, que incluem gastos com abono e seguro desemprego, somando 15,167 bilhões de reais. No mês passado, Tesouro e BC registraram déficit primário de 14,807 bilhões de reais, ante rombo de 1,556 bilhão de reais em fevereiro de 2015. A Previdência Social viu o déficit saltar 58,3 por cento na comparação anual, a 10,263 bilhões de reais.

Reconhecendo a impossibilidade de reequilibrar as contas públicas em 2016, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, anunciou na semana passada que quer aval do Congresso para encerrar o ano com déficit primário de até 96,65 bilhões de reais, equivalente a 1,55 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

A meta de superávit primário para o governo central é de 24 bilhões de reais neste ano, ainda vigente na lei orçamentária.

A perspectiva de 2016 marcar o terceiro rombo primário para o governo central coloca em xeque a estabilização da dívida bruta, considerada um dos principais indicadores de solvência do país. Diante da intensa crise política, com processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff em andamento, o governo vem enfrentando forte resistência para aprovar medidas de ajuste fiscal no Congresso Nacional.

Texto atualizado às 17h36

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s