Importação de produtos químicos caiu 16,4% ante 2014

O valor corresponde ao total pago pela compra de 33,6 milhões de toneladas de mercadorias, que também recuou 16,4% ante o ano anterior

São Paulo – Em 2015, o Brasil importou US$ 38,2 bilhões em produtos químicos, uma queda de 16,4% na comparação com 2014, segundo dados divulgados nesta terça-feira, 26, pela Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).

O valor corresponde ao total pago pela compra de 33,6 milhões de toneladas de mercadorias, que também recuou 16,4% ante o ano anterior.

Os intermediários para fertilizantes continuaram como principal item de importação do setor, com compras de mais de US$ 6,1 bilhões em 2015, equivalentes a 19,1 milhões de toneladas. Apesar da elevada participação, a importação destes produtos caiu 20,5%.

Já as exportações brasileiras de produtos químicos, de US$ 12,8 bilhões em 2015, diminuíram 11,7% na comparação com o ano anterior, particularmente afetadas pela forte queda de 14,2% dos preços médios (em dólares americanos) praticados na condição FOB de vendas externas.

As resinas termoplásticas, com exportações de US$ 2,0 bilhões, foram os produtos químicos mais exportados no ano passado, mas com redução de 2,0% na comparação com 2014.

O déficit na balança comercial de produtos químicos totalizou US$ 25,4 bilhões em 2014.

Segundo a Abiquim, em nota enviada à imprensa, 2011 foi o ano em que foi registrado aumento de 3,9% do PIB nacional e de 10,4% do faturamento líquido da indústria química brasileira, “cenário completamente adverso ao delicado momento vivido por toda a indústria em 2015”, avaliou a associação.

Para a diretora de Assuntos de Comércio Exterior da Abiquim, Denise Naranjo, o Brasil precisa fornecer condições competitivas aos exportadores para que o setor privado possa planejar com eficiência sua exposição no mercado internacional.

“A realidade mostra, em âmbito internacional, que os principais países fabricantes de produtos químicos apostaram no canal externo como opção estratégica para o fortalecimento de suas indústrias e, para viabilizar essa decisão, elaboraram diversas medidas que permitiram com que crescentemente as exportações representassem grande parcela do faturamento líquido setorial”, destacou Denise.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s