Inadimplência no mercado de crédito fecha 2015 a 5,3%

O estoque total de crédito no país, que inclui também o segmento de recursos direcionados, cresceu 6,6 por cento no ano, a 3,217 trilhões de reais

Brasília – A inadimplência no mercado de crédito no país no segmento de recursos livres atingiu em 2015 o maior patamar em mais de três anos, num ambiente de pressão sobre o orçamento dos brasileiros, em meio à economia em recessão, inflação elevada, aumento do desemprego e condições mais duras de financiamento.

Nesse segmento, em que os empréstimos têm taxas de juros definidas livremente pelas instituições financeiras, a inadimplência foi a 5,3 por cento em dezembro, contra 5,2 por cento em novembro e 4,3 por cento um ano antes, divulgou o Banco Central nesta quarta-feira. Com isso, a taxa foi ao nível mais alto desde novembro de 2012, quando havia ficado em 5,31 por cento.

O quadro reflete as condições mais duras no ano para a quitação de empréstimos, que ficaram mais caros diante do ciclo de aperto nos juros para combate à inflação, além do aumento da percepção de risco com um mercado de trabalho em deterioração e diminuição da renda média dos trabalhadores.

Em dezembro, os juros médios no segmento de recursos livres caíram a 47,3 por cento, contra 48,1 por cento em novembro. Mas no ano, exibiram alta de 10 pontos percentuais.

O spread bancário, que aponta a diferença entre o custo de captação e a taxa cobrada pelos bancos ao consumidor final, também teve ligeira queda em dezembro, a 32,1 pontos percentuais, contra 33,3 pontos em novembro.

No acumulado de 2015, entretanto, o aumento foi de 6,8 pontos percentuais.

Estoque

Num retrato da desaceleração da concessão de empréstimos no Brasil em meio à recessão econômica, o estoque total de crédito subiu 6,6 por cento em 2015, a 3,217 trilhões de reais, ou 54,2 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

O desempenho ficou abaixo do enxergado pelo BC, que estimou em dezembro que essa alta seria de 7 por cento no ano, ante 9 por cento de projeção anterior.

Foi o pior crescimento do estoque da série histórica do BC para o saldo de financiamentos no país iniciada em 2007, sendo também o primeiro avanço de um dígito apenas.

O BC já vinha apontando essa tendência de menor alta no saldo de empréstimos, em parte pelo aumento da base nos últimos anos, em parte pelas condições menos favoráveis à tomada de empréstimos, na esteira da derrocada econômica.

Para 2016, a expectativa é de expansão de 7 por cento no estoque de crédito no país, conforme divulgado pela autoridade monetária no mês passado.

Texto atualizado às 11h42.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s