Mercado de luxo pode ter recorde negativo, diz consultoria

As vendas de itens como vestidos e sapatos de grife aumentarão apenas 1%, para US$ 280 bilhões em 2015

O mercado global de bens pessoais de luxo está caminhando para o ano mais fraco desde 2009, pois a turbulência das bolsas, o dólar forte e a crise dos preços das commodities estão limitando a demanda.

As vendas de itens como vestidos e sapatos de grife aumentarão apenas 1%, para 253 bilhões de euros (US$ 280 bilhões) em 2015, segundo a Bain Co., que tinha projetado em maio um crescimento de 2% a 4%.

A estimativa, baseada em um cálculo que exclui as oscilações cambiais, seria o ganho mais fraco desde que as vendas caíram 11% no ano seguinte ao colapso da Lehman Brothers.

Marcas de luxo, como Louis Vuitton e Burberry, estão encontrando mais dificuldades na China, pois a desaceleração da economia está exacerbando o efeito da campanha do governo contra gastos ostensivos, o que prejudica a demanda por bolsas e casacos. Ao mesmo tempo, o crescimento dos EUA tem abrandado porque a volatilidade do mercado acionário e o dólar forte estão limitando as aquisições feitas por locais e turistas. As vendas de produtos de luxo cairão pelo segundo ano consecutivo na China e não crescerão nos EUA, disse a Bain.

“Está ficando mais difícil concorrer”, disse Claudia D’Arpizio, sócia da Bain e principal autora do estudo, em entrevista por telefone. No melhor dos casos, o mercado se expandirá 2%, pressupondo uma demanda forte na temporada do fim do ano, disse ela.

Euro

Pelo menos a desvalorização do euro está ajudando. As movimentações cambiais darão um impulso de 26 bilhões de euros ao valor das vendas de produtos de luxo neste ano, estima a Bain.

E os consumidores chineses continuam comprando onde moedas fracas lhes dão poder de influir sobre os preços//uma vantagem cambial em relação aos preços, especialmente na Europa e no Japão. A empresa de pesquisa projeta que os compradores chineses responderão por quase um terço dos gastos mundiais em produtos de luxo, frente a 28% em 2014.

Os russos, por sua vez, se fazem notar pela ausência. Eles reduziram as compras isentas de impostos na Europa em mais de um terço entre janeiro e agosto, disse a empresa de consultoria.

A Bain antecipa que as joias sejam a categoria de melhor rendimento em 2015, com uma alta de 6%, em contraste com a queda nas vendas de relógios causada pela fraqueza na Ásia. Itens como colares de diamantes são cada vez mais vistos como um investimento seguro em um ambiente econômico e financeiro incerto, segundo a empresa de consultoria.

D’Arpizio disse que projeta que o crescimento se fortalecerá a partir do segundo trimestre de 2016. O “novo padrão” para o mercado de produtos de luxo é um crescimento de 3% a 4%, disse ela. Essa estimativa exclui a leva de consumidores chineses de classe média que poderiam impulsionar o consumo.

O total de gastos em produtos de luxo será de mais de 1 trilhão de euros em 2015, encabeçado pela aceleração das vendas de carros de luxo, hotéis e obras de arte, disse a Bain no estudo, que é publicado duas vezes por ano pela empresa junto à Altagamma, uma fundação do setor italiano de luxo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s