Mercado está exagerando no pessimismo?

O cenário mais drástico traçado por alguns analistas não é consensual, e especialistas dizem que o mercado está exagerando no pessimismo

O agravamento da tensão política com as prisões do senador Delcídio Amaral e do banqueiro André Esteves quebrou a relativa calmaria nos mercados que vinha ocorrendo desde o ápice da crise, em setembro, quando o dólar passou de R$ 4,00.

Apesar dos riscos ampliados, o cenário mais drástico traçado por alguns analistas não é consensual.

“O cenário é grave, mas o mercado está exagerando no pessimismo”, diz o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega. Para ele, o Brasil resistirá à crise mesmo após os últimos acontecimentos confirmarem que a presidente Dilma Rousseff faz o que considera “um dos governos mais ineptos da história”.

Para Maílson, as instituições do País são sólidas e o governo tem forças para evitar que a economia desmorone. Para isso, pode contar com a ajuda da oposição em algumas medidas fiscais. O PSDB não estaria mais disposto a apostar no quanto pior melhor por ser ele próprio uma alternativa de poder. “Eles vão querer um mínimo de ordem na herança maldita que certamente vão receber em 2018”.

Para o ex-ministro, a possibilidade de renovação política em 2018, seguindo a tendência iniciada pela Argentina na América Latina, é um dos fatores que ajudam a limitar o pessimismo. “O bolivarianismo e a esquerda populista vão perder espaço”, diz Maílson. A mudança no Brasil já começou quando Dilma pôs Levy na Fazenda e deve ser completada pela vitória de uma oposição pró- reformas nas próximas eleições, segundo ele.

Maílson da Nóbrega, que esteve no governo em um período marcado por crises persistentes, não vê riscos de uma ruptura na economia, apesar da recessão profunda e da inflação acima de 10 por cento. O câmbio flutuante e as reservas de US$ 350 bilhões impedem uma crise cambial. “Mesmo após o recente overshooting do dólar, as reservas estão estáveis, o que mostra não haver fuga de capital”.

A desvalorização cambial, aliás, deve trazer alívio para a economia, diz o ex-ministro. Primeiro, por contribuir para o ajuste das contas externas, favorecendo a substituição de importações. Segundo, por tornar mais atraentes os ativos brasileiros para os investidores estrangeiros. A onda recente de investimentos chineses no Brasil já é um sinal deste interesse.

Maílson também viu como positiva a postura mostrada pelo BC, que sinalizou no último Copom que pode subir os juros para conter a inflação. “O BC indicou que não entrou na onda da dominância fiscal”. Da mesma forma, foi correto o BC ter mandado recado, em setembro, de que vai intervir no câmbio se necessário.

O sistema financeiro, que é sólido e estaria passando por um teste com o caso BTG, também é visto por Maílson como argumento contra um pessimismo agudo. Os grandes bancos brasileiros estão ajustados e o próprio BTG tenderia a sobreviver, na visão dele. “O Brasil passa por um momento difícil, mas ao contrário do que vimos em outros episódios no passado, conta com fatores que funcionam como amortecedores da crise”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s