Meta X realidade: o que a China queria (e o que aconteceu)

Histórico dos últimos anos mostra que na hora do aperto, a China acaba relativizando primeiro a meta de déficit, diz relatório do Credit Suisse

São Paulo – A China já deixou de ser um país socialista faz tempo, mas mantém o hábito de fazer planos estratégicos sociais e econômicos de longo prazo.

Para 2016, a meta de crescimento foi estabelecida pela primeira vez com um intervalo (entre 6,5% e 7%) depois que os números dos últimos anos não foram alcançados por pouco.

Uma boa parte da volatilidade dos mercados neste início de 2016 vem do medo de que a China esteja diante de uma desaceleração brusca que derrubaria a demanda global.

Mas a China também não pode ficar presa a um número alto demais, sob pena de sacrificar seus outros dois objetivos de política econômica: estabilidade financeira e reformas para alterar o perfil da sua economia.

“Acreditamos que alcançar mesmo o patamar mais baixo dessa meta de crescimento para 2016 vai exigir mais estímulos monetários e fiscais (…) Este nível de suporte provavelmente vai frustrar a habilidade do governo de alcançar pelo menos um dos outros objetivos”, diz Michael Taylor, chefe de crédito para Ásia-Pacífico da agência.

Um relatório recente do banco Credit Suisse notou que o histórico dos últimos anos mostra que na hora do aperto, a China acaba relativizando primeiro a meta de déficit:

“O governo anuncia um número menos agressivo, já que a prudência fiscal está sob escrutínio por alguns investidores internacionais e agências de rating, mas parece ser a tradição dos últimos anos de que o déficit acaba superando o planejado”.

No caminho, as reservas internacionais estão sendo torradas em um ritmo acelerado diante de outra “trindade impossível”: a impossibilidade de manter para sempre uma conta de capitais aberta, uma taxa de câmbio fixa e uma política monetária independente.

Veja o que a China projetou (e o que acabou acontecendo) nos últimos dois anos para crescimento, taxa de inflação, déficit, crescimento do investimento em ativos fixos, crescimento da base monetária e crescimento das vendas do varejo, assim como os números definidos para 2016:

2014

  Meta Resultado
Crescimento do PIB 7,5% 7,3%
Taxa de inflação 3,5% 2%
Déficit fiscal como % do PIB 2,1% 2,1%
Desemprego urbano 4,6% 4,1%
Crescimento do investimento em ativos fixos 17,5% 15,7%
Crescimento da base monetária (M2) 13% 12,2%
Crescimento de vendas do varejo 14,5% 12%

2015

  Meta Resultado
Crescimento do PIB 7% 6,9%
Taxa de inflação 3% 1,4%
Déficit fiscal como % do PIB 2,3% não disponível
Desemprego urbano 4,5% 4,1%
Crescimento do investimento em ativos fixos 15% 10%
Crescimento da base monetária (M2) 12% 13,3%
Crescimento de vendas do varejo 13% 10,7%

2016

  Meta
Crescimento do PIB 6,5%-7%
Taxa de inflação 3,0%
Déficit fiscal como % do PIB 3,0%
Desemprego urbano 4,5%
Crescimento do investimento em ativos fixos 10,5%
Crescimento da base monetária (M2) 13%
Crescimento de vendas do varejo 11,0%

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s