O gigante chinês continua faminto — mas seu “paladar” mudou

Segundo um novo estudo, o consumo chinês deverá saltar dos US$ 3,7 trilhões registrados em 2014 para US$ 6,4 trilhões em 2025

São Paulo – A economia da China já não cresce como antes. Porém, o aumento do poder aquisitivo dos chineses nos últimos anos representa, mais do que nunca, uma tremenda oportunidade para os negócios — especialmente para os setores de serviço e tecnologia.

Segundo um novo estudo, em apenas uma década, o consumo chinês deverá saltar dos US$ 3,7 trilhões registrados em 2014 para US$ 6,4 trilhões em 2025.

É um aumento vertiginoso, que representa cerca de 70% de todo consumo interno do país no ano passado, segundo dados do estudo produzido pelo think tank Demand Institute.

A pesquisa estima que o consumo da sociedade chinesa deve crescer a uma média de 5,2% ao ano durante a próxima década. Nesse ritmo, o consumo acumulado do país vai bater vultosos US$ 56 trilhões de hoje até 2025.

De acordo com o estudo, o consumo interno se firma como um novo motor de crescimento do país, capaz de compensar a quebra da produção industrial. Em 2025, o consumo deverá responder por 42% do PIB total, acima dos atuais 37%.

Apesar da redução do crescimento econômico, o país continua faminto, mas seu “apetite” dá sinais de mudança.

Com a diversificação da economia chinesa, o país passou a demandar menos materiais básicos e mais produtos e serviços de tecnologia, sinais da vitalidade da classe média urbana chinesa, que hoje já é a maior do mundo.

Exemplo disso é a venda de smartphones no país. Para se ter uma ideia, a Apple registrou um aumento extraordinário de 99% na receita no quarto trimestre na China em relação ao ano passado.

Apesar do cenário promissor para vendas, o estudo adverte que o crescimento do consumo chinês será “altamente irregular” e exigirá que os “líderes empresariais saibam priorizar mercados no país”.

Segundo a pesquisa, megacidades como Pequim, Shangai e Chongquing estão entre as mais promissoras para as empresas do setor de consumo. Mas outras cidades menores também estão no pário, incluindo Fuzhou, Xiamen, Dongguan, Wuhan, Nanjing, Dalian e muitas outras.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s