Por que o fim da era Kirchner é bom para o Brasil?

A queda do preço das commodities derrubou a capacidade argentina de importar, o que fere a indústria brasileira na veia

São Paulo – Uma grande mudança começou na Argentina no último domingo. Depois de mais de uma década de governo do casal Kirchner, as urnas alçaram à Presidência o candidato da oposição, Mauricio Macri.

Esta, sem dúvida, é boa notícia para o Brasil.

O principal problema da economia Argentina é a combinação de perda do acesso aos mercados de capitais internacionais e escassez de reservas internacionais.

Em outras palavras, a Argentina é hoje como uma família sem cartão de crédito e com o dinheiro curto: quando entra algum tostão, tudo bem, a família vai ao supermercado; mas, se não entra aquela graninha, a família tem de penhorar até as joias para conseguir comprar o leite das crianças.

Na vida sem crédito, tudo vai bem enquanto se tem renda. Mas quando a renda diminui… Aí o bicho pega.

E o bicho que está pegando na Argentina dá as suas arranhadas no Brasil. A queda do preço das commodities derrubou a capacidade argentina de importar.

Isso machuca a indústria brasileira na veia. Ainda mais porque, sem dinheiro para comprar produtos de fora do país, o governo argentino vinha levantando barreiras à importação que ignoravam compromissos assumidos no Mercosul.

O novo governo argentino é a esperança de um retorno da Argentina aos mercados de capitais. As oportunidades são imensas. A Argentina possui grandes reservas de gás natural que não são exploradas, afinal, a grana por lá anda em falta.

Mas os cidadãos argentinos possuem grandes poupanças no exterior. Essa dinheirama pode ser repatriada caso seus possuidores sintam-se seguros de que o governo não irá expropriá-las (tirar de seus donos).

A travessia para a Argentina, no entanto, não será fácil. O casal Kirchner deixa de herança um Estado nada confiável. Nem mesmo estatísticas oficiais de inflação e atividade econômica possuem credibilidade.

E o governo Macri não terá maioria no Congresso, logo, reformas provavelmente serão graduais. Mas os primeiros sinais e os nomes de sua equipe econômica sugerem boa notícia.

Este novo governo parece estar comprometido em fazer a coisa certa: trazer a Argentina de volta à comunidade internacional.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s