Queda em importações faz setor externo contribuir com PIB

Esse recuo tem ligação direta com a desvalorização do real ante o dólar e também com a queda na renda das famílias brasileiras, explicou a especialista

Rio – A queda mais intensa nas importações acabou permitindo que o setor externo desse contribuição positiva para o Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre de 2015, afirmou nesta terça-feira, 1º de dezembro, Claudia Dionísio, gerente de Contas Trimestrais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse recuo tem ligação direta com a desvalorização do real ante o dólar e também com a queda na renda das famílias brasileiras, explicou a especialista.

Segundo o IBGE, o câmbio sofreu uma desvalorização de 56% na média do terceiro trimestre deste ano em relação a igual período do ano passado.

“A desvalorização cambial e a (queda na) renda foram importantes para o recuo nas importações”, disse Claudia.

No terceiro trimestre de 2015, as importações recuaram 6,9% em relação ao segundo trimestre.

As exportações também recuaram (-1,8%) por conta dos serviços, mas a queda foi menos intensa. É essa combinação que gera a contribuição positiva, explicou a gerente.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2014, por sua vez, as importações recuaram 20,0%, enquanto as exportações subiram 1,1%.

Segundo Claudia, a queda nas importações mostra também que a demanda por investimentos está fraca. Um dos produtos que está contribuindo negativamente para o resultado são máquinas e equipamentos vindos de fora.

“Temos demanda interna mais fraca e podemos ver que há queda na produção de máquinas e equipamentos e nas importações.

Com desvalorização cambial, também fica mais caro comprar máquina de fora, o que desfavorece investimento”, disse a gerente do IBGE.

Indústria de transformação

O recuo de 3,1% na indústria da transformação no terceiro trimestre do ano ante o trimestre imediatamente anterior puxou o recuo de 1,3% no PIB da indústria no período, segundo Claudia Dionísio.

“A indústria da transformação teve a maior queda (dentro da indústria)”, apontou.

O resultado geral só não foi pior porque houve avanço na produção e distribuição de eletricidade, gás e água.

A pesquisadora do IBGE explicou que o País registrou um número maior de usinas térmicas ligadas durante o primeiro semestre, o que resulta num custo maior para a produção de energia elétrica.

“Em agosto, desligaram algumas usinas térmicas, e com isso a gente teve uma economia. A energia ficou mais barata para produzir. Se o custo diminuiu, o valor adicionado ficou maior”, justificou ela.

Ainda dentro do PIB industrial, a construção civil registrou recuo de 0,5% no terceiro trimestre ante o segundo trimestre, enquanto a extrativa mineral teve queda de 0,2%.

Indústria extrativa mineral

A alta de 4,2% na indústria extrativa mineral no terceiro trimestre de 2015 ante o mesmo trimestre do ano anterior foi puxada pelo crescimento tanto da extração de petróleo e gás quanto de minério de ferro no período, segundo Claudia Dionísio.

“Tanto petróleo e gás quanto minério de ferro começaram o ano com um crescimento um pouco maior, mas teve uma desaceleração”, disse.

A extrativa mineral crescia a dois dígitos nos últimos dois trimestres de 2014. No primeiro trimestre de 2015, a alta chegou a 12,5% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

A taxa de crescimento do segundo trimestre, porém, arrefeceu para 8,2%. “Petróleo pesa mais (na extrativa)”, afirmou a pesquisadora.

Volume de impostos

O volume de impostos arrecadados recuou 8,3% no terceiro trimestre de 2015 em relação a igual período do ano passado, informou o IBGE. “Isso se deve ao volume menor de produtos (comercializados). Isso afeta, mesmo que alíquota permaneça igual”, explicou Claudia Dionísio.

Segundo a especialista, os tributos que mais afetaram o resultado foram o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), cuja queda na arrecadação é fortemente atrelada ao recuo de 11,3% no PIB da indústria de transformação no terceiro trimestre de 2015 ante igual período de 2014, e o imposto sobre importações.

De acordo com o IBGE, as importações de bens e serviços recuaram 20% nesta comparação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s