S&P não vê tendência de estabilização no Brasil

"A gente não vê a estabilização dos vetores que trouxeram o Brasil para o grau especulativo", afirmou Regina Nunes

Rio – A manutenção da perspectiva negativa da nota de crédito do Brasil pela Standard & Poor’s (S&P) reflete, além da deterioração de indicadores econômicos do País, a falta de uma perspectiva de estabilização que dê previsibilidade para o futuro.

Em setembro a agência tirou o grau de investimento do País, que passou para grau especulativo.

“Mesmo que hoje você não tivesse com números estáveis, mas a tendência fosse de tal, isso já poderia estar embutido na avaliação. Não existe hoje uma visão do ponto de vista da S&P de que isso vá ser modificado no curto prazo, por isso o negativo”, disse a representante de agência de classificação de risco no Brasil, Regina Nunes.

“A gente não vê a estabilização dos vetores que trouxeram o Brasil para o grau especulativo”, afirmou.

Regina mencionou a ausência de uma dinâmica de dívida estável, de previsibilidade do custo dessa dívida e de como ela vai se comportar em termos de alongamento ou não desses prazos.

A falta de previsibilidade, avalia a agência, impõe custos para todos os setores da economia. Um dos principais exemplos citados foi o setor financeiro, que para a executiva da S&P, sofre as consequências da redução do nível de emprego e na capacidade de pagamento das famílias.

“Isso tem uma consequência muito grande. Tem um lado positivo no crédito ter crescido tanto, porém no ajuste impõe um risco que é a empregabilidade do profissional que tomou os recursos”, explicou a jornalistas.

Ela participou do Seminário “Reavaliação do Risco Brasil”, promovido pelo Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Em entrevista após o evento, a líder da S&P no Brasil não descartou uma nova revisão do rating do País ainda em 2015, mas reafirmou que a agência não tem um prazo definido para tanto.

“Não temos (prazo para reavaliar). Se for a nossa opinião que algo mudou isso vai acontecer. Os ratings estão sendo atualizados todo dia”, disse.

Na visão de Regina, o fechamento de 2015 ainda não está 100% definido diante do quadro de instabilidade política e econômica.

“Ainda há uma expectativa para o fechamento de 2015 e isso vai determinar 2016 e 2017”, frisou, lembrando que assim como se deterioraram mais rápido que o esperado os indicadores brasileiros necessitam de uma correção também ágil e de reformas para reconquistar a confiança do investidor.

Questionada sobre recentes vitórias do governo no Congresso e sobre a hipótese de haver uma capitalização da Petrobras pelo governo por meio de um instrumento híbrido de capital e dívida, Regina Nunes preferiu deixar qualquer comentário para os analistas da S&P.

No entanto, afirmou que certamente todos os eventos no entorno da Petrobras têm um peso nos ratings do País, da indústria de óleo e gás, do setor de construção civil e até nos cenários traçados pela S&P para estados e municípios.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s