Senado da Argentina começa a debater acordo com credores

O Senado começou a debater o projeto de lei para acertar o acordo de uma dívida milionária com credores internacionais

 O Senado começou a debater nesta quarta-feira o projeto de lei para acertar o acordo de uma dívida milionária com credores internacionais, um acerto que o presidente Mauricio Macri considera vital para atrair investimentos e por em marcha a economia do país.

O lobby governista – em um parlamento que não controla – havia assegurado ao presidente a emissão de dívida por um máximo de US$ 12,5 bilhões, destinados a ressarcir os credores que processam o país em Nova York.

Para o senador Julio Cobos, da frente oficialista Cambiemos, o acerto com os “fundos abutres pode ser um ponto de inflexão na nossa economia que permitirá recuperar o acesso ao crédito internacional”.

A disputa pela dívida remonta à crise financeira de 2001, quando a Argentina deu um calote internacional de US$ 100 bilhões. A maior parte dos credores renegociaram a dívida em 2005 e 2010, porém um grupo minoritário levaram o caso a um tribunal de Nova York e ganharam.

Em 2014, um juiz norte-americano deu uma sentença favorável aos holdouts e bloqueou os pagamentos aos detentores de títulos renegociados, fazendo com que a Argentina entrasse novamente em default.

As renegociações com os credores internacionais foi uma das primeiras medidas feitas por Macri ao assumir a presidência, em 10 de dezembro de 2015.

Porém, toda a decisão depende, agora, do aval do Congresso.

Apesar de ter conseguido respaldo na Câmara dos Deputados em meados de março, o governo necessita dos votos favoráveis de mais da metade de um total de 72 senadores.

No entanto, há vozes dissidentes ligadas a forças de centro-esquerda e à ex-presidente Cristina Kirchner.

“Nos querem vender uma crise para que compremos um endividamento caro e em maus termos. Vão nos levar ao inferno”, disse a senadora Anabel Fernández Sagasti, próxima do filho de Cristina, Máximo Kirchner.

Espera-se que a iniciativa comece a ser votada na meia-noite de quinta-feira. Fonte: Associated Press.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s