Descubra verdades e mitos sobre a embreagem do seu carro

O uso desse peça em carros manuais, através do pedal esquerdo, é cercado de mitos e questões que geralmente vieram lá do passado

A embreagem realiza o acoplamento do motor com o câmbio e garante a transferência homogênea de torque, facilitando também a mudança de marchas.

Seu uso em carros manuais, através do pedal esquerdo, é cercado de mitos e questões que geralmente vieram lá do passado. Vamos tentar respondê-las nos tópicos abaixo.

Por que o pedal da embreagem começa a endurecer em carros com dezenas de milhares de quiômetros rodados?

Isso acontece por causa do desgaste do conjunto da embreagem. Quando ocorre, a mola do disco já pode ter perdido de 20% a 30% de sua flexibilidade.

A mola do platô se deteriora com o uso, prejudicando todo o mecanismo. Nessas condições, não há outra saída: é preciso trocar o conjunto da embreagem.

O principal responsável pelo desgaste são os pesados choques mecânicos e as altas temperaturas impostas aos componentes.

Para prolongar a vida útil da embreagem, o motorista precisa eliminar certos vícios na condução do veículo, como descansar o pé no pedal, “segurar” o carro com a embreagem numa ladeira (em vez de usar o freio de mão) e dar arrancadas bruscas.

É verdade que não se deve acionar a embreagem ao dar a partida?

Em termos. Não há um consenso a esse respeito. Há quem afirme que essa prática não traz benefício mecânico algum.

E há quem diga que, ao se pisar na embreagem, alivia-se o peso no volante do motor, o que é sempre útil, especialmente quando a bateria está fraca para dar a partida.

É melhor dar a partida com a marcha engatada (pisando na embreagem)?

Não. Há quem ache que, assim, o óleo subiria mais rápido para lubrificar o câmbio. Mas, ao ligar o carro, os pistões se movimentam, lubrificando as paredes do cilindro. A circulação do óleo lubrifica o câmbio quando ele é movimentado.

Ao desengatar as marchas, é necessário pisar na embreagem?

Claro que sim. A embreagem deve ser sempre acionada tanto no engate quanto no desengate das marchas. Isso evita a quebra dos dentes das engrenagens. 

Ao apertar a embreagem rapidamente e soltar (com a marcha engatada), o carro corre mais?

Não. O que acontece é um tranco provocado pela retomada da aceleração do motor.

Ao acionar a embreagem, ocorre o desvinculamento rápido do motor com o câmbio e, consequentemente, com as rodas. Isso acelera o desgaste da embreagem.

Posso partir da imobilidade com a segunda marcha engatada?

Isso não é recomendado. Andar com o carro em marcha mais alta que o indicado pode prejudicar o motor e a caixa de mudanças.

Nessa situação, o motor pede uma marcha mais baixa para adequar a potência à velocidade do veículo.

A potência mal gerenciada faz com que a transmissão funcione aos trancos, causando desgastes.

O que significa “trocar de marchas no tempo”, sem o uso da embreagem?

Isso significa sincronizar a velocidade do motor com a velocidade da engrenagem que será selecionada. Nesse exato momento, você não precisa que a embreagem seja selecionada para o engate. 

Para isso, é preciso conhecer as relações de marcha de seu carro para saber exatamente qual rotação deve ser atingira em cada troca (por exemplo, esticar a primeira marcha até os 4.000 rpm e então passar para a segunda a 2.000 rpm, caso a relação entre as marchas seja de 2:1).

Este recurso pode ser importante caso, por algum motivo, você precise movimentar o carro sem utilizar a embreagem (se ela estiver avariada, por exemplo).

A troca, porém, tem que ser feita de maneira perfeita, sem arranhar as marchas.

É possível fazer isso em carros de passeio, mas o que se economiza no desgaste de embreagem é muito pequeno diante do risco de você causar um dano maior nas engrenagens e anéis sincronizadores.

Quais as consequências de se arranhar a marcha durante as trocas?

O engate forçado durante a troca de marchas pode quebrar ou tirar “lascas” dos dentes das engrenagens do câmbio.

Essas “lascas” ficam no óleo de lubrificação do câmbio. Como o bujão do óleo é magnético, ele atrai essa limalha.

É fácil verificar se há limalha durante a troca de óleo do câmbio, pois as partículas grudam no íma do bujão.

Constatada a sua presença, o óleo deve ser trocado rapidamente, pois os pedaços de metal danificam as outras engrenagens do câmbio.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s