Diretor de O Silêncio dos Inocentes morre aos 73 anos

Além de grande trabalho no cinema, Jonathan Demme foi responsável por grandes clipes de Talking Heads, Bruce Springsteen e Justin Timberlake

Vencedor do Oscar de melhor diretor em 1973, Jonathan Demme responsável por clássicos como O Silêncio dos Inocentes e Filadélfia, morreu nesta quarta-feira (26) após complicações de um câncer no esôfago e problemas cardíacos, aos 73 anos.

Conhecido por ser um artista multifacetado, Demme tem como grande obra o clássico de suspense que revelou Anthony Hopkins ao mundo e que lhe garantiu o Oscar. Seu outro grande filme foi Filadélfia, que rendeu a Tom Hanks sua primeira estatueta. O longa também foi revolucionário ao ser um dos primeiros grandes filmes de estúdio a tratar da crise da AIDS, que se alastrou durante os anos 1990.

Seu último filme foi Ricki and The Flash: De Volta Para Casa, onde Maryl Streep interpretava uma velha rockeira que precisava retornar a sua família. Apesar de ter tido fraco desempenho nas bilheterias, a película conversa diretamente com outra faceta da obra de Demme.

Apesar de ter iniciado a carreira trabalhando em filmes B, foi com a música que o diretor se estabeleceu no cenário audiovisual, trabalhando com alguns dos mais icônicos artistas da década de 1980.

Ele foi o diretor do documentário Stop Making Sense, que misturava gravações ao vivo do Talking Heads com cenas gravadas que tendiam ao surrealismo, ao estilo da banda. O gigante terno que o cantor David Byrne usou no show se tornou um ícone (bizarro)  dos anos 1980.

Demme também foi um dos primeiros diretores a apostar no videoclipe como forma de arte, porém subvertendo a ordem vigente. Enquanto na época eram comuns clipes chamativos, cheios de grafismos e efeitos — o tal formato MTV — o diretor foi na contramão, junto com uma banda que também tinha a fama de ser “do contra”. O clipe de mais de 10 minutos de Perfect Kiss, do New Order, chamava a atenção não só pela duração, mas por seu conteúdo: era um registro seco de uma gravação da banda no estúdio, desde sua entrada na sala até a o desligar dos amplificadores. Por mais que os sintetizadores estivessem estourando, as câmeras continuavam impassíveis mostrando apenas os membros da banda tocando seus instrumentos.

O diretor também trabalhou com outros grandes nomes da época como Bruce Springsteen e Neil Young, este último objeto de um documentário de 2006 feito por Demme. Mais recentemente, trabalhou também com Justin Timberlake para um documentário da Netflix.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
Aceito receber ocasionalmente ofertas especiais e de outros produtos e serviços do Grupo Abril.
Política de Privacidade

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s