O filho de baco

Sebastiano Rosa, enólogo que produz o famoso Supertoscano Sassicaia

O italiano Sebastiano Rosa é, desde os anos 1990, o homem forte da vinícola Tenuta San Guido, que produz o Sassicaia, o mais famoso dos supertoscanos, vinhos revolucionários, famosos por quebrar as regras com muita classe. Ele vive ali desde os 2 anos, quando sua mãe se casou com o Marquês Nicolò Incisa della Rocchetta, herdeiro das terras. Pela D.O.C. (Denominação de Origem Controlada), a Toscana só poderia produzir vinho feito com uvas típicas da região. Mas os Incisa della Rocchetta não estavam nem aí para regras de comercialização. Queriam uma bebida com personalidade única, para consumo próprio.

Os primeiros lotes do “vinho fora da lei” surgiram nos anos 1940, usando uvas cabernet sauvignon e cabernet franc trazidas clandestinamente de Bordeaux, na França. No início, apenas os amigos conheciam a bebida. Mas sua qualidade se propagou e enófilos do mundo todo queriam provar os “Bordeaux da Toscana”. Até que, em 1968, a primeira safra foi comercializada, sem D.O.C. impressa no rótulo – apenas com o nome da família, uma estrela azul e dourada e o nome Sassicaia. Virou cult. Os donos de terras vizinhas trataram de lançar seus próprios rótulos, e assim nascia uma nova categoria de vinhos, transgressores e sofisticados. Em 1994, reconhecidos, ganharam a D.O.C. Bolgheri.

Formado em enologia e viticultura na Universidade da Califórnia, Sebastiano é um criador de vinhos serial. Ele conversou sobre safras, salvaguardas e até sobre a máfia:

a sala de degustação da Tenuta San Guido: ele e sua vinícola são mestres em inovar, quando se trata de mesclar uvas

Por que você foi estudar nos Estados Unidos? Na época, as duas melhores faculdades de enologia do mundo ficavam em Bordeaux e na Califórnia, que vivia a febre dos vinhos de Napa Valley. Eu tinha 18 anos e a Califórnia parecia mais divertida. Até hoje presto consultoria para alguns produtores de lá. Estamos criando supertoscanos em Napa. Ou supercalifornianos.

Qual a sua opinião sobre o crítico Robert Parker? O problema com Parker não é Parker. Respeito seu trabalho. O que me aterroriza é ver produtores consagrados se curvarem ao gosto dele, preferindo ganhar pontuação a deixar o caráter dos seus terroirs se revelar. É um erro enorme um vinho já famoso ficar preocupado em agradar um crítico. Eu não posso reclamar, já que nossos vinhos geralmente são muito bem avaliados e o Sassicaia 1985 recebeu históricos 100 pontos.

Que conselhos daria aos produtores brasileiros? Nunca se fechem, isso vai gerar um retrocesso na qualidade. Ao contrário, abram-se. Tragam tecnologia, pessoas, métodos. Criem sua identidade. Ainda não tive oportunidade de experimentar vinhos brasileiros. Ouvi que há bons espumantes e que as terras frias do Sul são interessantes. É o principal ingrediente de um bom vinho: o terroir.

Você gosta de alterar todos os vinhos? Não. O Sassicaia é um clássico no qual não se pode mexer. Mas tomei gosto por criar novos vinhos, experimentar cortes com uvas não nativas. Ultimamente tenho me divertido na Úmbria, fazendo um Orvietto Clàssico, que é a D.O.C. mais antiga da Itália, e na Sardenha, onde me associei a produtores locais para poder enfrentar a máfia e cultivar a carignano, que usamos no corte do vinho Barrua.

A máfia? Não é bem máfia. Nem é como nos filmes. Bem, deixa pra lá… Eles também gostam de vinho.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s