O que um dublê de filmes pode ensinar sobre carreira

Aprenda a vencer os obstáculos até o sucesso com quem entende de riscos e manobras calculadas

Ilustração dublê

 (Francisco Martins/Revista VIP)

Quando não está correndo com o corpo em chamas ou saltando de um prédio, André Franco, 43 anos, dá palestras pelo Brasil ou expediente em uma clínica de um bairro nobre de São Paulo, onde atende executivos, atletas, artistas e empreendedores.

Os clientes — alguns conhecidos como o árbitro do UFC Mario Yamasaki, a apresentadora Karina Oliani e o músico e empresário Sorocaba, da dupla com Fernando — o procuram para aprender a domar a ansiedade, lidar com pressões, ganhar autoconfiança.

André é também coach especialista em estratégias de alto desempenho pessoal.

As duas carreiras cruzaram-se há pouco mais de dez anos na vida do paulista de Amparo.

Praticante de várias atividades físicas, ele formou-se em educação física, mas era apaixonado por cinema. “Alugava filmes de ação só para assistir ao making of das cenas arriscadas”, conta.

Fez cursos nos Estados Unidos, meteu as caras nesse universo. O trabalho de estreia foi na televisão, em um daqueles comerciais clássicos da Gelol, com vários tombos. Sua trajetória como dublê decolou.

De lá para cá, somou dezenas de trabalhos, entre eles o filme Ensaio sobre a Cegueira e a série 3%, da Netflix.

Já substituiu Wagner Moura e Vladimir Brichta e hoje atua e participa de quase todas as etapas das produções — do roteiro (para definir como as cenas serão) à preparação física e mental do elenco.

Inquieto, também desenvolveu programas de qualidade de vida para empresas e formou-se coach, após treinar com o guru americano Tony Robbins.

Criou seu método, que combina hipnose e neurolinguística. Aqui, ele compartilha quatro lições de sobrevivência profissional.

 

#1 — Faça o melhor com o que tem

Suits

 (Suits/Reprodução)

Não é sempre que dá para contar com equipe, orçamento e prazo dos sonhos.

No entanto, em vez de reclamar e usar limitações e imprevistos como pretextos, tente olhar a adversidade como oportunidade para superar expectativas e mostrar seu valor. “O cérebro só consegue trabalhar com foco total em uma coisa de cada vez”, fala André.

“Se você direciona a mente para o problema, se queixando de condições que faltam para resolvê-lo, desperdiça tempo e energia que poderiam ser empregados para encontrar uma solução.”

No cinema, ele revela, é comum ter que se virar com budget baixo e condições de segurança nem sempre ideais.

E é nessas horas que entram em ação experiência, criatividade e capacidade de adaptação.

 

#2 — Acumule habilidades

Suits

 (Suits/Reprodução)

Na construção de um plano B de carreira, na realização de um projeto paralelo ou apenas para sobreviver em tempos bicudos, ostentar aptidões variadas é o que faz a diferença entre ficar estagnado e se movimentar entre as boas oportunidades.

Assim como o domínio técnico de quedas, atropelamentos e capotagem de automóvel expandem o campo de atividade de um dublê, investir em conhecimento nunca é demais e valoriza seu passe como um profissional versátil e preparado.

 

#3 — Mantenha a sintonia

Suits

 (Suits/Reprodução)

No papel de líder ou como subordinado, não importa sua área, entender que você é apenas uma das partes da engrenagem que faz qualquer projeto acontecer é a chave para a eficiência, o clima e os resultados.

Ainda que seja um empreendedor solitário, é preciso relacionar-se com clientes e fornecedores.

André está acostumado a participar de filmes muitas vezes com equipes de até 300 pessoas e garante: a maioria dos erros e acidentes acontece por falhas de comunicação.

Ele já pegou fogo de verdade em uma simulação de incêndio porque o equipamento de segurança não tinha sido providenciado. “Todos os envolvidos precisam saber o que vai acontecer em cada cena para realizá-la com segurança”, diz.

O dia a dia no escritório pode ser bem menos excitante, mas cultivar o diálogo, a interação e um propósito comum serve para conectar as partes do todo e fazer a máquina funcionar.

 

#4 — Esteja presente de verdade

Suits

 (Suits/Reprodução)

Excesso de informação, sobrecarga de tarefas, processos complexos, prazos insanos.

No dia a dia de trabalho pesado, é normal acabar acionando o piloto automático às vezes, apenas reagindo por impulso ao que acontece.

Resultado: estresse, angústia, falta de motivação.

Ao se concentrar no momento presente e controlar os pensamentos, você assume as rédeas da vida e dá a ela o rumo que deseja.

Nas filmagens de ação não há espaço para falta de foco — ou o ator pode se machucar feio. “Crio rituais antes de uma cena: faço exercícios de respiração e visualizo mentalmente várias vezes cada movimento”, afirma.

Faça o mesmo antes de situações que causem ansiedade e agitação mental — uma reunião importante ou palestra.

Adotar uma postura de confiança durante uns minutos, com costas eretas, peito aberto, ombros para trás e olhar para a frente, também pode deixá-lo (e fazê-lo parecer) mais seguro — mesmo com a boca seca de nervosismo.

Veja também
Newsletter Conteúdo exclusivo para você

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s