Umberto Eco, o intelectual que criticou a corrupção

Nascido em Alexandria, na norte da Itália, em 5 de janeiro de 1932, Eco foi intelectual, escritor, semiólogo e filósofo

Roma – Umberto Eco, o escritor e semiólogo italiano que criticou ao longo de sua vida a manipulação no jornalismo e a corrupção, autor de obras inesquecíveis como “O Nome da Rosa”, morreu nesta sexta-feira em sua casa aos 84 anos, informou na madrugada deste sábado o jornal italiano “La Repubblica”.

Nascido em Alexandria, na norte da Itália, em 5 de janeiro de 1932, Eco foi intelectual, escritor, semiólogo e filósofo de prestígio e reconhecido em nível internacional.

Entre suas obras-primas, destaca-se “O Nome da Rosa” (1980), um ‘best-seller’ ambientado no século XIV, que narra a investigação realizada pelo frei William de Baskerville e seu pupilo Adso de Melk em torno de uma misteriosa série de crimes que ocorrem em uma abadia.

O romance foi reeditado em várias ocasiões e recebeu alguns prêmios importantes, como o Strega (1981), na Itália, e o Medicis, na França. Além disso, a obra foi levada ao cinema pelo diretor J.J. Annaud e obteve grande sucesso.

Oito anos depois, Eco publicou “O Pêndulo de Foucalt”, outro de seus melhores títulos que narra a história de três intelectuais que inventam um suposto plano dos cavaleiros templários para dominar o mundo.

“O Pêndulo de Foucault” foi publicado na Itália em 1988 e foi um dos livros mais vendidos daquele ano, mas a crítica não mostrou muito interesse pelo romance, exceto o “L’Osservatore Romano”, órgão oficial da Santa Sé, que em um inusitado ataque tachou a obra de “bobagem, charlatanismo puro, profanação e blasfêmia”.

Seu último livro foi “O Número Zero”, uma obra na qual abordou os mistérios que cercaram a morte do ditador italiano Benito Mussolini.

O romance, publicado em mais de 30 países, traz uma feroz e irônica crítica ao mau jornalismo, à mentira e à manipulação da história.

Agraciado com o Prêmio Príncipe de Astúrias de Comunicação e Humanidades em 2000, Eco também ficou conhecido por romances como “A Ilha do Dia Anterior”, “Baudolino” e “A Misteriosa Chama da Rainha Loana”, e, ao longo de sua vida profissional, foi responsável por vários ensaios sobre semiótica, estética medieval, linguística e filosofia.

Sua primeira obra de semiótica foi “A Estrutura Ausente” (1968), que foi seguida por “As Formas do Conteúdo” e “O Sinal” (1973), que depois culminaram em um trabalho mais completo sobre a matéria, o “Tratado de Semiótica Geral”, publicado em 1975.

Eco trabalhou na emissora pública italiana “RAI” de 1954 até 1958, e depois foi professor adjunto de Estética entre 1962 e 1965 nas universidades de Turim e Milão.

Eco também fez parte do Grupo 63, um movimento neovanguardista de intelectuais, e publicou seu estudo sobre arte contemporânea, “Opera Aberta” (1962), que foi seguido por “Diário Mínimo” (1963) e seu conhecido “Apocalípticos e Integrados” (1965), sobre a cultura de massa e os meios de comunicação.

Além disso, Umberto Eco colaborou em publicações como “”The Times”, “Literary Supplement” e “Tel Quel”, e durante 35 anos com a editora Bompiani.

Em 1988, o escritor fundou o departamento de Comunicação da Universidade de San Marino e, além disso, foi professor emérito e presidente da Escola Superior de Estudos Humanísticos da Universidade de Bolonha, no norte da Itália, desde 2008.

Nomeado integrante do Fórum de Sábios pela Mesa do Conselho da Unesco (1992), integrou também a Academia Universal de Culturas junto a outros intelectuais e foi nomeado doutor “honoris causa” por mais de 25 universidades de todo o mundo, entre elas, a Complutense de Madri, Tel Aviv, Atenas, Varsóvia e Berlim.

Legião de Honra da França desde 1993 e prêmio austríaco de Literatura Europeia por toda sua obra em 2004, em Salzburgo, em seus últimos anos de vida Umberto Eco compaginou sua atividade acadêmica e literária com conferências, colóquios, debates e colaborações nos meios de comunicação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s