Como a recuperação judicial da Oi pode impactar clientes

Administrador judicial da MMX e presidente da comissão de falência e recuperação judicial da OAB/MG explica como funciona o pedido de recuperação da operadora de telefonia

A recuperação judicial é uma proteção dada a empresas que não conseguem pagar dívidas. A medida evita que credores peçam a falência do empreendimento e permite a reorganização econômica, administrativa e financeira da atividade privada.

No caso da operadora Oi, o endividamento e a retração econômica atual são os motivadores do pedido de recuperação. No entanto, por mais que cause insegurança – principalmente nos clientes – a recuperação judicial não acarreta o fechamento da empresa.

Segundo o advogado especialista em insolvência empresarial e presidente da Comissão de falência e recuperação judicial da OAB/MG, Bernardo Bicalho, as atividades e serviços da Oi devem ser preservados durante o curso da recuperação judicial.

“A recuperação judicial dá condições para que a empresa endividada continue gerando receitas para quitação dos débitos e preserve os postos de trabalho”.

“Caso a falência seja decretada, a empresa é fechada. Essa não é a melhor solução para o problema”, analisa Bernardo Bicalho. O especialista ainda explica que neste momento as ações da Oi na Bolsa de Valores ficam suspensas e a ANATEL, como agência reguladora, passa a ter importante papel de acompanhamento da reestruturação da empresa e do relacionamento com os clientes de telefonias fixa e móvel, internet e lojas franqueadas.

Como funciona a recuperação
Normalmente, o juiz analisa o pedido de recuperação em cerca de cinco dias. Caso seja aceito, a empresa tem 60 dias para apresentar plano detalhado para saldar dívidas. “Nesse momento, a Oi deverá mostrar de onde virá o dinheiro, o tempo para quitar obrigações e a forma de pagamento”, explica Bernardo Bicalho.

A partir daí, os credores terão 30 dias para concordar com o plano. Caso não concordem, uma nova decisão deverá ser tomada em assembleia de credores em até seis meses. Com o plano aprovado, a princípio, a Oi terá dois anos para sanar as obrigações. Sem aprovação dos credores, a empresa irá à falência.

Bernardo Bicalho lembra que as chances de a empresa se recuperar são grandes. “Basta que a recuperação seja bem conduzida e moldada em um plano de reestruturação sólido. Vale lembrar que esse plano é fiscalizado pelo juiz, pelo administrador judicial e pelos credores”, finaliza.

Pedidos de recuperação de empresas em crescimento
Nos quatro primeiros meses de 2016, o número de pedidos de recuperação judicial aumentou 97,6% em comparação ao mesmo período em 2015 (571 em 2016; 289 em 2015). As falências aumentaram 4%, passando de 503 nos quatro primeiros meses de 2015, para 523 pedidos em 2016.

Sobre Bernardo Bicalho – presidente nacional da Comissão Especial de Falência e Recuperação Judicial do Conselho Federal da OAB e presidente da comissão de falência e recuperação judicial da OAB/MG. Coordenador do livro Aspectos polêmicos e atuais da Lei de Recuperação de Empresas. Administrador judicial da MMX Sudeste, mineradora do empresário Eike Batista, que teve pedido de recuperação judicial deferido no final de 2014.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s