Movimento pela Segurança do Paciente anuncia três novos Desafios de segurança do paciente

A Fundação do Movimento pela Segurança do Paciente anunciou três novos desafios de segurança do paciente na sua reunião de planejamento de meio de ano, organizada em conjunto com a Inova.

A Fundação do Movimento pela Segurança do Paciente anunciou três novos
desafios de segurança do paciente na sua reunião de planejamento de meio
de ano, organizada em conjunto com a Inova. A Reunião de planejamento de
meio de ano 2016 reuniu 100 especialistas em medicina, administradores,
defensores de pacientes e altos funcionários do governo de todo o mundo
para apresentações e debates sobre tópicos críticos com relação à
segurança do paciente. A reunião foi encerrada com um debate e voto para
selecionar novos desafios onde a morte do paciente pode ser facilmente
evitada se os protocolos adequados forem seguidos durante a assistência
médica. Os participantes apontaram 15 novos desafios. Eles votaram para
incluir os seguintes três desafios como os próximos itens mais urgentes
em termos de segurança do paciente:

  • Tromboembolismo venoso (TEV)
  • Saúde mental
  • Eventos adversos relacionados com medicamentos pediátricos

Os três novos desafios serão acrescentados à lista atual de 12
desafios
 e Soluções práticas de segurança do paciente (Actionable
Patient Safety Solutions, APSS), e serão tratados na 5ª Cúpula mundial
anual pela segurança do paciente, ciência e tecnologia em fevereiro de
2017.

Este ano, a palestra inaugural foi proferida pelo Dr. Jeffrey Shuren,
diretor do Centro para dispositivos e saúde radiológica da Administração
de alimentos e drogas dos EUA. Outros palestrantes convidados incluíram:
Senador Sheldon Whitehouse, senador dos Estados Unidos para Rhode
Island; Dr. Charles Murphy, diretor de Segurança do paciente, Dr. Scott
Betzelos, vice-presidente e diretor médico, e Dr. Emily Marko, diretor
médico para Simulação médica avançada na Inova; Dr. Teodoro Forcht
Dagi, presidente do Conselho de cuidados cirúrgicos e perioperatórios;
Dr. Rollin Fairbanks, diretor do Centro nacional de fatores humanos em
assistência médica na MedStar Institute for Innovation; Conrad
Grant, engenheiro chefe no Laboratório de física aplicada da
Universidade Johns Hopkins; e Dr. Michael Grant, professor assistente e
diretor de Recuperação avançada pós-cirurgia em Anestesia cardíaca e
Cuidados cirúrgicos críticos em anestesiologia e Medicina de cuidados
críticos no Hospital Johns Hopkins. Os tópicos incluíram:

  • Treinamento de equipe para melhorar a segurança do paciente
  • O uso de simulação na melhoria da segurança do paciente
  • A comunicação para a segurança
  • Engenharia de fatores humanos
  • Engenharia de sistemas
  • Princípios de organizações de alta confiabilidade

“Esta foi a melhor reunião de planejamento de meio de ano já feita. Não
podíamos estar mais felizes com os resultados e somos gratos pela
participação e pelas contribuições de todos os participantes”, disse Joe
Kiani, fundador e presidente da Fundação do Movimento pela segurança do
paciente. “Estamos fazendo um grande progresso, mas ainda temos muito
trabalho pela frente. Assim como os outros 12 desafios que abordamos com
nossas Soluções práticas para a segurança do paciente, TEV, saúde mental
e eventos adversos relacionados com medicamentos pediátricos possuem
processos para evitar que erros humanos tornem-se fatais. Mas esses
processos são, por vezes, excessivamente complicados e
significativamente subutilizados por hospitais em nosso país e ao redor
do mundo. Esperamos ansiosamente poder trabalhar com especialistas em
cada categoria para criar APSS fáceis de serem implementadas para esses
novos desafios. Acreditamos firmemente que, se cada hospital no mundo
adotar essas APSS, poderemos eliminar as mortes evitáveis de pacientes.”

Joe Kiani continuou, “Agradecemos a Inova por organizar em conjunto
conosco esta reunião de planejamento de meio de ano. Também queremos
agradecer ao senador Sheldon Whitehouse por apresentar a ‘Lei de
melhoria da segurança do paciente de 2016 (S. 2467)’. Caso se torne lei,
este será um grande passo no sentido de se reduzir mortes evitáveis.
Estamos também animados com a direção em que a FDA está seguindo,
criando um novo paradigma regulatório para novas inovações, com seu
Sistema de avaliação nacional (National Evaluation System, NEST).
Acreditamos que isso acelerará o acesso do país a inovações que podem
salvar vidas e, ao mesmo tempo, manter a segurança do paciente como
prioridade.

Tromboembolismo venoso

O tromboembolismo venoso, que consiste de trombose venosa profunda
(formação de coágulos sanguíneos em veias profundas) e embolismo
pulmonar (um coágulo sanguíneo que se desloca para os pulmões), é uma
das formas mais comuns de mortes hospitalares evitáveis. Estima-se que
mais de 50.000 mortes de pacientes nos Estados Unidos sejam atribuídas
ao TEV. Por exemplo, quando um coágulo sanguíneo se desloca para os
pulmões, os pacientes têm entre 30 a 60% de probabilidade de vir a
morrer.

Saúde mental

Aproximadamente 61,5 milhões de americanos experimentam uma forma de
doença mental todos os anos. Os resultados dos cuidados com a saúde
mental oferecida em hospitais ficam aquém dos resultados alcançados em
grandes estudos de tratamentos baseados em evidências. Os recebedores de
tratamento para saúde mental são mais vulneráveis a danos não
intencionais e menos propensos a se defender. Áreas com potencial de
dano incluem diagnósticos errôneos, tratamento insuficiente, reações
adversas a medicamentos, danos resultantes de isolamento, imobilização e
incidência de suicídio. Entre 1970 e 2000, o número de leitos
hospitalares psiquiátricos públicos caiu de 207 leitos por 100.000
pessoas para apenas 21 (Agência para pesquisa e qualidade de assistência
médica). Uma pesquisa de 2010 envolvendo 603 administradores de
pronto-socorros hospitalares feita pelo Grupo Schumacher concluiu que
56% dos pronto-socorros (PS) são “frequentemente incapazes” de internar
pacientes comportamentais em instalações adequadas a tempo.

Eventos adversos relacionados com medicamentos pediátricos

O Movimento pela segurança do paciente já tem um APSS para erros
médicos, mas determinou que os Eventos adversos relacionados com
medicamentos pediátricos e neonatais precisam de um enfoque separado.
Reações adversas a medicamentos (RAM) em crianças podem ter um efeito
significativamente mais grave em comparação com adultos. RAMs podem
levar a uma hospitalização prolongada, invalidez permanente ou morte. As
taxas de erro são as mais altas na unidade de cuidados intensivos
neonatal. As crianças têm geralmente menor capacidade de tolerar
fisiologicamente um erro de medicação devido às suas funções renais,
imunológicas e hepáticas ainda em desenvolvimento. As crianças não
conseguem se comunicar adequadamente com os clínicos a respeito de
quaisquer efeitos adversos que a medicação pode estar causando. Erros
comuns incluem dosagem incorreta, erros de omissão, medicamento não
autorizado/errado, erros de prescrição, técnica de administração errada,
preparação incorreta, forma de dosagem errada e via errada. Além disso,
muitas instalações de assistência médica são construídas basicamente
considerando-se as necessidades dos adultos e carecem de equipe treinada
em cuidados pediátricos.

A Fundação do Movimento pela Segurança do Paciente abordará esses novos
desafios na 5a Cúpula mundial anual pela segurança do
paciente, ciência e tecnologia, em 3 e 4 de fevereiro de 2017, no Laguna
Cliffs Marriott Resort and Spa em Dana Point, Califórnia. A Cúpula
reunirá clínicos, defensores de pacientes, administradores de hospitais,
responsáveis por segurança, tecnólogos médicos, especialistas em
políticas públicas e altos funcionários do governo de todo o mundo para
um compromisso pela eliminação de mortes evitáveis de pacientes até o
ano 2020. Na última cúpula, a Fundação relatou que os compromissos, que
envolveram mais de 1.600 hospitais, resultaram em 24.643 vidas salvas em
2015. O Movimento pela Segurança do Paciente também relatou em janeiro
que quase 50 empresas assinaram o Compromisso pela abertura de dados,
para compartilhar seus dados no sentido de promover a segurança do
paciente por meio da interoperabilidade. A Fundação espera dobrar esses
números em 2016. Este ano, a Fundação estabeleceu Redes regionais para
mobilizar líderes de todo o mundo para atingir mais hospitais, de modo
que possam cumprir sua meta de ZERO mortes evitáveis até 2020.
Atualmente, 19 administradores de Redes regionais, representando mais de
60 países, estão posicionados em todo o mundo para fazer o Movimento
ganhar impulso. Recentemente, o Movimento pela Segurança do Paciente
anunciou que a Sociedade europeia de anestesiologia (European Society of
Anesthesiology, ESA) está trabalhando com a Fundação para liderar os
esforços pela segurança do paciente na Europa.

Sobre a Fundação pelo Movimento de Segurança do Paciente

Mais de três milhões de pessoas de todo o mundo e 200 mil nos EUA morrem
todos os anos em hospitais de maneiras que poderiam ser evitadas.
A Fundação pela Segurança do Paciente foi estabelecida a partir do apoio
da Masimo Fondation pela ética, inovação e competição em cuidados de
saúde, com o objetivo de erradicar o número de mortes evitáveis até 2020
(0X2020) nos EUA e reduzi-las radicalmente no mundo todo. Aprimorar
a segurança do paciente exigirá um esforço de colaboração de todas as
partes interessadas, o que inclui pacientes, prestadores de cuidados
de saúde, empresas de tecnologia médica, governos, empregadores e
pagadores privados. A Fundação pela Segurança do Paciente atua com todas
as partes interessadas para abordar os problemas e soluções no campo da
segurança do paciente. A fundação realiza também a Cúpula mundial
anual pela segurança do paciente, ciência e tecnologia. A cúpula
apresenta soluções específicas e práticas para lidar com os desafios da
segurança do paciente, incentivar empresas de tecnologia médica a
compartilhar os dados com quem adquire seus produtos e pedir que os
hospitais estabeleçam compromissos para implementar
Soluções práticas para a segurança do paciente. Visite www.patientsafetymovement.org.

@0x2020 #patientsafety #0x2020

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada.
As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se
referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que
tem efeito legal.

Contato:

Fundação do Movimento pela Segurança do Paciente
Irene Paigah,
858-859-7001
irene@paigah.com

Fonte: BUSINESS WIRE

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s