A propaganda finalmente descobriu as mães reais?

A propaganda parece começar a se preocupar em mostrar o lado mais real e humano dessas figuras.

A máxima diz que “ser mãe é padecer no paraíso”, mas, ao acompanhar as campanhas que surgem na época em que se celebra do dia delas, fica difícil encontrar algo além do paraíso.

A ideia romantizada da maternidade é fortemente representada pela propaganda nesse período e não poderia deixar de ser diferente, já que essa é uma visão enraizada na sociedade.

A figura materna representa a delicadeza e a fraternidade e é assim que normalmente as mães são retratadas pela publicidade: com cenas calmas, serenas e felizes.

Quem é mãe sabe que, na verdade, nem tudo são flores. A maternidade é uma relação sim de amor incondicional, o que não quer dizer, no entanto, que todos os momentos sejam mil maravilhas.

Noites sem dormir e dores que começam a surgir muito antes da “grande hora”, e que nos acompanham por muito tempo depois dela, são alguns dos pontos não tão bonitos da maternidade.

Depois de muito tempo retratando imagens idealizadas no dia das mães, a propaganda parece começar a se preocupar em mostrar o lado mais real e humano dessas figuras.

Essa é uma tendência que pode ser relacionada ao tão discutido movimento de empoderamento feminino, que coloca as mulheres como protagonistas de suas próprias histórias e narrativas, e não dá mais espaço para uma representação que destoe muito daquilo que elas verdadeiramente são.

A tirar pelas campanhas que começam a ver surgir para o dia das mães deste ano, a sensação que temos é que marcas e agências começam a ouvir uma demanda de discussões que surgem na sociedade e a se preocupar em mirar seus esforços em algo mais realista.

Nesse sentido, temos três exemplos recentes de campanhas brasileiras que, cada uma a seu modo, se propõe a dar vez e voz a realidade do que é ser mãe.

“Ser mãe é assustador”

Canon, em campanha criada pela Dentsu, apostou corajosamente em mostrar como ser mãe pode ser assustador. O filme retrata situações difíceis que surgem com a maternidade, sem abandonar a beleza que o momento traz.

Chegou o “décimo mês”, e agora?

A Bepantol lançou uma campanha global que também mostra como a tarefa de ser mãe, principalmente no início, pode ser muitas vezes árdua. Além do filme que mira na preocupação sobre como a mulher está se sentindo, algo na maioria das vezes deixado de lado, a plataforma “Décimo mês” ainda traz um site com dicas especialmente voltadas para quem está embarcando na experiência pela primeira vez.

Por que ser mãe?

Ypê, por sua vez, contou com a ajuda da Neogama para ouvir relatos de mulheres sobre a transformação muitas vezes difícil que a maternidade provocou em suas vidas e transformar isso em um belo filme. Na segunda parte do vídeo são exibidas cenas que mostram como, apesar do padecer, ser mãe realmente vale a pena.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s