Comentários racistas saem das redes e ganham outdoors

Campanha foi desenvolvida pela W3haus para a ONG Criola

São Paulo – “As redes sociais deram voz a uma legião de imbecis”, disse o escritor italiano Umberto Eco em junho deste ano. A ideia parece um pouco radical demais, mas ao “passear” pela rede, talvez tenhamos que concordar em partes com o estudioso.

Discursos de ódio sempre existiriam, muito antes da invenção do computador ou de qualquer outro tipo de comunicação, infelizmente.

A grande questão é que, com o “anonimato” da internet, muitas pessoas tendem a tomar coragem de dizer aquilo que não podem na “vida real”.

Com o racismo não é diferente, comentários carregados de intolerância racial não são difíceis de encontrar na web.

O que as pessoas se esquecem, no entanto, é que a falsa sensação de “ser apenas um avatar” nas redes é ilusória. Por trás de todo discurso violento veiculado na internet existe alguém que pensa daquela forma e defende aquela posição.

Para mostrar à sociedade o quão reais são os posts racistas na web, a ONG Criola, organização da sociedade civil que atua a partir da defesa e promoção de direitos das mulheres negras, lançou a campanha “Racismo virtual. As consequências são reais.”

A campanha nasceu em julho motivada pelo caso da jornalista Maria Júlia Coutinho (relembre aqui). A Criola, em parceria com a W3haus, executou um trabalho de mapeamento dos comentários na plataforma, localizando as cidades onde os autores das ofensas moram.

O passo seguinte foi transformar essas injúrias em algo material, na forma de outdoors e demais peças de mídia exterior instalados nas principais ruas e avenidas das cidades mapeadas.

Um site explicando toda a ação também foi criado.

De acordo com Jurema Werneck, fundadora da Criola, o objetivo da campanha é impactar a população e conscientizá-la sobre os efeitos de um comentário infeliz na internet.

“Não é possível ignorar esses ataques e achar que não haverá consequências para os ofensores. Racismo é crime segundo a Constituição brasileira e, no caso dos insultos na internet, independentemente de terem sido direcionados a uma pessoa conhecida ou não, os agressores infringiram a lei e, pior, a honra e dignidade das mulheres negras. A campanha visa expor essas situações e fazer com que a sociedade se posicione contra esse retrocesso”, declara Jurema.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s