A pior commodity deste ano tem um nome impronunciável

Um metal obscuro se tornou a commodity com pior desempenho do ano após o tropeço na economia da China e o colapso no setor de energia levarem a grandes perdas

Um metal obscuro usado para fazer aço se tornou a commodity com pior desempenho deste ano, depois que o tropeço na economia da China e o colapso no setor de energia levou a grandes perdas.

Molibdênio – que é mo.lyb.de.num para os não iniciados – é usado em muitos materiais de construção em aço e ajuda a endurecer as brocas utilizadas para extrair petróleo e gás natural do subterrâneo profundo.

Os preços despencaram 49 por cento, o maior entre as 79 matérias-primas monitoradas pela Bloomberg, com o metal branco sendo prejudicado pelo excesso de oferta que assolou os mercados de commodities globais durante o ano de 2015.

O uso do metal caiu 5,1 por cento este ano, a maior contração desde 2009, impulsionada por uma desaceleração na China, o maior consumidor de metal e energia do mundo, de acordo com Macquarie Group Ltd. Os preços caíram por oito meses seguidos, a queda mais longa desde 2011, pesando sobre retornos para as empresas de mineração Freeport-McMoRan Incluindo Inc., a maior produtora do mundo.

“É como um exemplo da queda do mercado de commodities”, disse Paul Christopher, estrategista chefe de mercado global do Wells Fargo Investment Institute, com sede em St. Louis, que administra US$ 1,7 trilhão “Não temos uma visão positiva sobre os metais, incluindo molibdênio, porque houve excesso de produção. Eles vão continuar a ser um péssimo investimento, não só porque a demanda da China ainda está caindo, mas também porque não há suficiente ajuste no abastecimento. “

Maior baixa em 12 anos

Os preços para óxido de molibdênio caíram ao preço mais baixo de 12 anos fechando em US$ 4,616 por libra em novembro, de acordo com dados mensais do Metal Bulletin.

A queda superou o declínio de 34 por cento do petróleo cru e os 26 por cento no Índice de Mercadorias Bloomberg, um medidor de retornos de 22 itens que se encaminha para o maior declínio anual desde a recessão em 2008. O molibdênio para entrega imediata foi negociado na London Metal Exchange desabou 43 por cento este ano, para US$ 11,628 a tonelada (US$ 5,27 a libra).

Cerca de metade do molibdénio é produzido como um subproduto da extração de outros metais, principalmente o cobre. Como representa uma pequena porção da receita para as empresas de mineração, os fornecedores são mais lentos para responder com cortes de produção quando os preços caem, disse Mu Li, analista de commodities na CPM Group em Nova York.

A produção superou a demanda por 40,9 milhões de libras em 2015, o maior superávit desde pelo menos 2002, segundo o Bank of America Corp. O mercado vai continuar com um excesso de oferta até 2020, segundo as estimativas do banco.

O uso mais comum do metal é endurecer o aço, deixá-lo mais forte e mais resistente ao calor, o que é atraente para os produtores de energia usarem em seus componentes, incluindo plataformas de petróleo. O colapso dos preços do petróleo ao preço mais baixo em seis anos cortou a demanda por equipamentos já que as empresas, incluindo a Chevron Corp, reduziram os gastos. Algumas estimativas mostram que canais e tubos usados pela indústria de energia contam com quase 20 por cento do consumo global de molibdênio, disse Barbara Buck, a vice-presidente de marketing e vendas da Climax Molybdenum Co., uma unidade de Freeport.

Cortes de produção podem ajudar a aparar o excesso de molibdênio. A Freeport, com sede em Phoenix, está reduzindo a produção em cerca de 34 milhões de libras por ano, incluindo na mina Henderson operada pela Climax, no Colorado, disse Buck. No local, o molibdênio é uma extração primária a partir de minérios, em vez de um subproduto.

Globalmente, a indústria anunciou reduções que equivalem a cerca de 11 por cento da demanda mundial, disse ela. O excesso vai diminuir no próximo ano para 40,6 milhões de toneladas e cair para 18,6 milhões em 2017 disseram analistas do Bank of América, incluindo Oscar Cabrera, em um relatório de novembro.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s