BB Investimentos tem preço-alvo de R$ 20 para ação da Ambev

Na avaliação de analistas, a maior cervejaria da América Latina tem se sustentado na liderança do setor por sua marca forte e rede de distribuição ampla

No início de sua cobertura da Ambev, o BB Investimentos considerou o desempenho da fabricante de bebidas “em linha com a média do mercado” e estimou preço-alvo de R$ 20 para os papéis da companhia, em relatório enviado hoje aos seus clientes.

Na avaliação dos analistas Victor Penna e Luciana Carvalho, a maior cervejaria da América Latina tem se sustentado na liderança do setor por sua marca forte e rede de distribuição ampla, seu foco em eficiência e controle de custos, sua robusta geração de fluxo de caixa, disciplina financeira e inovação constante.

Além disso, o banco de investimentos do Banco do Brasil destaca que o aumento na renda média global e da população têm sido os principais motores de crescimento de longo prazo para as indústrias de cerveja e refrigerantes em todo o mundo.

No Brasil, com o consumo de cerveja “premium” ainda menor do que em mercados maduros, “acreditamos que há espaço para a futura criação de valor a longo prazo e crescimento nesses segmentos”, diz trecho do texto.

No entanto, o ambiente doméstico mais fraco, principal mercado da Ambev, desencorajou o consumo de cerveja, bem como a inflação mais forte tem pressionado as margens na indústria de bebidas.

Neste sentido, a empresa tem se concentrado em embalagens retornáveis, com custo final mais baixo para o grupo e para o consumidor. Assim, segundo o BB Investimentos, há uma “grande aposta” da Ambev em concentrar-se nesse tipo de estratégia, mais rentável em um cenário de maior sensibilidade ao preço.

Ainda assim, os analistas do banco aguardam um crescimento moderado da empresa no curto prazo, dada a perspectiva de menor volume de vendas e as pressões mais elevadas nos custos.

Nesse quadro, as receitas devem registrar um ritmo mais moderado de crescimento nos próximos cinco anos, com a margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) atingindo seu recorde histórico de 50% em 2020, vindo principalmente de iniciativas de inovação e redução de custos.

Riscos

Na análise das fragilidades da Ambev, o BB Investimentos apontou potenciais ventos contrários do aumento de impostos nos preços e seus impactos negativos, a depreciação do dólar, uma maior deterioração econômica que afetaria negativamente o volume de vendas e aumentos de preços e mudanças de benefício fiscal e regras referentes aos juros sobre o capital próprio.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s