Dólar a R$ 3,60 está caro ou barato?

A marca de R$4, atingida pela primeira e última vez em 10 de outubro de 2002 virou uma referência nas análises sobre o quanto a moeda americana ainda pode andar

O dólar continua em alta após romper a barreira dos R$ 3,60. E, mesmo com a moeda americana já no maior nível desde 2003, tem sido crescente o número de analistas que consideram haver espaço para o dólar subir ainda mais com as turbulências externas atingindo o Brasil em momento de deterioração econômica acentuada e sem desfecho à vista para a crise política.

A marca de R$ 4,00, atingida pela primeira e última vez em 10 de outubro de 2002, antes da eleição de Lula, virou uma referência nas análises sobre o quanto a moeda americana ainda pode andar.

Alberto Ramos, do Goldman Sachs, e Bernd Berg, do Societé Générale, estão entre os analistas que passaram a considerar o dólar a R$ 4,00, em diferentes prazos, em suas previsões recentemente.

Para Italo Abucater, chefe da mesa de câmbio da corretora Icap do Brasil, o dólar pode atingir R$ 4,00 até o fim do ano e se sustentar no novo nível, podendo até mesmo ir além.

“Desta vez não vai ser como em 2002, quando o dólar bateu em R$ 4,00 e caiu”.

E a razão para isso é que a situação hoje seria ainda pior do que naquele que foi até agora o momento de maior estresse para o real desde sua criação, em 1994.

Em 2002, observa Abucater, o dólar disparou pelo temor de que Lula colocaria o programa do PT em prática, mudando a política econômica herdada do governo FHC.

Contudo, Lula surpreendeu o mercado positivamente em seu 1º mandato.

Manteve a política baseada em câmbio flutuante e metas fiscal e de inflação e ainda ganhou de presente a ajuda da China, que crescia mais de 10% ao ano e impulsionava o valor das commodities exportadas pelo Brasil.

Hoje o mercado não se preocupa apenas com o medo de mudança e sim com os efeitos de uma mudança que já ocorreu, diz o executivo da Icap. A economia vive uma crise gerada por mudanças feitas sobretudo no 1º mandato de Dilma Rousseff.

“O Brasil passou passou por um retrocesso”. Para piorar, a China, país que mais importa do Brasil, saiu de um crescimento de 2 dígitos para cerca de 7%. E investidores ainda têm dúvidas sobre se a potência asiática não estaria tendo um desaquecimento ainda mais profundo.

A previsão de dólar a R$ 4,00 está longe de ser consensual. O próprio Banco Central, segundo comentário feito pelo diretor Aldo Mendes no dia 6, quando a moeda ainda estava em R$ 3,50, considerava aquele patamar “muito além ou muito acima” do que seria explicado pelos fundamentos. De lá para cá, o dólar seguiu subindo, mesmo após o BC ter complementado o alerta de Mendes elevando a rolagem dos swaps cambiais.

Na pesquisa Focus do Banco Central com cerca de 100 analistas do mercado, a previsão mediana ainda é de um dólar bem mais comportado, de R$ 3,50 no final de 2015 e R$ 3,60 no final de 2016.

O fato de o Brasil contar com reservas de US$ 370 bilhões é um fator importante de respaldo a estas estimavas mais moderadas. Trata-se de um arsenal cerca de 10 vezes acima do nível de 13 anos atrás.

Nem todos, porém, concordam que as reservas serão um escudo suficiente para defender o real. Abucater, por exemplo, lembra que o ministro Joaquim Levy em várias ocasiões se mostrou favorável a um câmbio mais flutuante.

O BC poderia fazer alguma intervenção, talvez oferecendo linhas de crédito em dólar, para esfriar a alta quando a moeda atingir níveis maiores, mas sem reverter a tendência.

A alta do dólar, embora possa gerar turbulência quando ocorre subitamente, pode trazer mais benefícios do que malefícios para uma economia em recessão.

Com juros altos para combater a inflação, o Brasil não tem como alavancar a economia com consumo doméstico, como o ex-ministro Guido Mantega tentou fazer nos anos anteriores.

Estimular as exportações parece ser a única saída no curto e médio prazo e um dólar mais alto pode ser um trunfo neste objetivo.

Embora haja alguns sinais de reação nas contas externas, o déficit em conta corrente de US$ 6,2 bilhões em julho foi visto por operadores do mercado como um indício de que a melhora ainda é insuficiente.

Não há incentivo para o BC aumentar as intervenções em defesa do real porque o Brasil precisa ampliar a competitividade de suas exportações como forma de estimular o crescimento, disse em 18 de agosto o estrategista Bernd Berg, do SocGen, que espera dólar a R$ 4,00 ainda em outubro.

Embora o câmbio pressionado possa prejudicar a inflação, conter a desvalorização cambial como alternativa à política monetária seria um erro, aponta Alberto Ramos, do Goldman.

A crise política segue como pano-de-fundo da escalada do dólar, mantendo os investidores pessimistas quando a uma recuperação da economia e do mercado brasileiros.

O aumento de impostos e a falta de uma liderança política inconteste, capaz de solucionar a crise, são fatores preocupantes. “O mercado ligou o alerta”, diz Abucater.

Em meio ao imbróglio, o enfraquecimento do ministro Levy entrou no radar, juntando-se ao desconforto com a saída de Michel Temer da coordenação política do governo.

As incertezas externas, sobretudo em relação à China, foram o motivo adicional que levou ao salto mais recente do dólar, que passou de R$ 3,50 para R$ 3,60 nesta semana.

Na visão do mercado, contudo, o fator original da fragilidade do real é a incapacidade do Brasil em resolver uma crise que ele próprio alimentou.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s