Dólar cai 0,47% e se aproxima de R$3,60

A moeda fechou em queda influenciada pela atuação contida do Banco Central no câmbio e por menores expectativas de aumentos de juros nos EUA

Sâo Paulo – O dólar fechou em queda e voltou a se aproximar dos 3,60 reais nesta quarta-feira, influenciado pela atuação contida do Banco Central no câmbio e por menores expectativas de aumentos de juros nos Estados Unidos.

O dólar recuou 0,47 por cento, a 3,6209 reais na venda, após recuar mais de 1 por cento e atingir 3,5986 reais na mínima do dia.

“O mercado está com fome para vender dólar e hoje não faltou motivo”, disse o operador da corretora B&T Marcos Trabbold.

O BC vendeu apenas 3 mil swaps reversos, equivalentes a compra futura de dólares, da oferta de até 20 mil contratos nesta manhã, mesmo com a pressão de baixa sobre o dólar.

A estratégia da autoridade monetária vem confundindo alguns operadores, em meio a especulações de que poderia ter como objetivo evitar que a moeda norte-americana recue muito para proteger exportadores e, assim, as contas externas do país.

O mercado também espera qual será a estratégia do BC para a rolagem dos swaps tradicionais –equivalentes a venda futura de dólares– que vencem em maio, correspondentes a 10,385 bilhões de dólares. O BC rolou apenas cerca de 67 por cento do lote de abril, após promover sete rolagens integrais consecutivas.

“Não dá para entender muito bem as intenções do BC, então o mercado vai continuar testando (cotações mais baixas)”, disse o operador de um banco internacional.

A queda do dólar nesta sessão veio também em sintonia com os mercados externos, onde continuavam repercutindo declarações da véspera da chair do Federal Reserve, Janet Yellen, de que o banco central norte-americano deve adotar cautela para elevar os juros.

Eventual demora do Fed para apertar de novo a política monetária beneficiaria moedas emergentes, que oferecem rendimentos financeiros elevados.

A queda da moeda norte-americana perdeu um pouco de fôlego durante a tarde, com investidores adotando um pouco mais de cautela em relação à perspectiva de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Muitos operadores avaliam que eventual troca no governo poderia ajudar a recuperação econômica, embora alguns ressaltem que o quadro de incertezas políticas gere entraves à confiança.

“A verdade é que não dá para ter muitas certezas com o noticiário político tão intenso”, disse o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado.

Texto atualizado às 17h17

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s