20% das crianças africanas não têm acesso a vacinas, diz OMS

Embora entre 2000 e 2014 as mortes por sarampo reduziram 86%, a OMS insistiu que é necessário um maior controle para poder erradicar totalmente a doença

Nairóbi – A Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu nesta terça-feira que 20% das crianças não têm acesso às vacinas básicas na África, continente que tem a menor taxa de imunização do mundo.

No relatório “Cumprindo com uma promessa: garantir a imunização para todos na África”, a OMS reconheceu o progresso “considerável” alcançado nos últimos anos, mas pediu aos líderes africanos que priorizem o acesso universal às vacinas.

Esta questão será abordada a partir de amanhã em Adis-Abeba, a capital etíope, durante a primeira cúpula ministerial sobre imunização que reunirá os ministros africanos de Saúde.

“Para que a África possa alcançar seu pleno potencial e garantir um futuro promissor, devemos nos unir para assegurar que todas as crianças no continente recebam as vacinas que necessitam para sobreviver e prosperar”, expressou a diretora regional da OMS para a África, Matshidiso Moeti.

Assim, Moeti insistiu que é “inaceitável” que atualmente uma de cada cinco crianças africanas não tenha acesso a estas vacina e que só nove países do continente registrassem uma cobertura de imunização superior a 80% em 2014.

A falta de acesso às vacinas provoca que doenças como o sarampo, a rubéola e o tétano neonatal -praticamente eliminadas na maior parte do mundo- sigam na África.

Embora entre 2000 e 2014 as mortes por sarampo reduziram 86%, a OMS insistiu que é necessário um maior controle para poder erradicar totalmente a doença.

Outro problema que muitos países africanos enfrentam é a fragilidade de seus sistemas sanitários -debilitados devido à crise como o ebola ou os conflitos armados- por isso que outra prioridade dever ser fortalecê-los.

“Inclusive em tempos de crise, as crianças merecem as vacinas básicas e outras intervenções de sobrevivência infantil que podem salvar suas vidas”, lembrou a OMS.

Apesar dos desafios existentes, a organização também louvou os progressos realizados nos últimos anos, já que a cobertura de imunização na África passou de 57% em 2000 até 80% em 2014.

Além disso, garantiu que a introdução das novas vacinas, como a do rotavírus, foi um “êxito” devido à colaboração de muitos países.

Próximo da reunião de líderes africanos que será realizada amanhã, o relatório lembrou os benefícios econômicos e sociais que ajuda a vacinação, já que famílias inteiras podem sair da pobreza se se evitam os custos associados a doenças que podem ser prevenidas.

“Este é o começo de uma nova era sanitária em nosso continente, na qual todos os países estão comprometidos a salvar e melhorar as vidas das crianças utilizando uma das ferramentas mais potentes que inventaram: as vacinas”, augurou a presidente da comissão da União Africana, Nkosazana Dlamini Zuma.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s