400 morreram em repressão a protestos na Etiópia, diz ONG

Os agentes etíopes utilizaram munição real para controlar e matar manifestantes, alguns menores de 18 anos

Nairóbi – As forças de segurança da Etiópia mataram mais de 400 pessoas, a maioria manifestantes, e detiveram milhares deles durante a repressão dos protestos registrados na região de Oromia desde novembro do ano passado, denunciou nesta quinta-feira a ONG Human Rights Watch (HRW).

A onda de protestos violentos, protagonizados em sua maioria por estudantes, contra um polêmico plano urbanístico que previa a expansão da capital etíope, causou pelo menos 140 mortes no final de 2015, um número que aumentou para mais de 400 até maio deste ano, segundo comunicado da HRW.

A organização revelou essa informação em um relatório sobre a repressão do regime etíope divulgado hoje, no qual detalha a força excessiva utilizada contra os manifestantes, os maus-tratos aos detidos e a censura.

“As forças de segurança etíopes alvejaram e assassinaram centenas de estudantes, camponeses e outros manifestantes pacíficos com um descarado desprezo pela vida humana”, disse a vice-diretora para a África da HRW, Leslie Lefkow.

Os agentes etíopes utilizaram munição real para controlar e matar manifestantes, alguns menores de 18 anos, que temiam que o plano urbanístico de Adis-Abeba continuasse com a remoção de agricultores e camponeses da região de Oromia, que fica nos arredores da capital etíope.

A Polícia Federal e as Forças Armadas também detiveram milhares de estudantes, professores, músicos, opositores, trabalhadores de saúde e pessoas que ajudaram os estudantes a fugir e a buscar refúgio.

Um número desconhecido deles continua sob custódia das autoridades, sem nenhuma acusação, nem acesso à assistência legal.

“Vivi ali por toda minha vida e nunca tinha presenciado uma repressão tão brutal. Eles prendem e assassinam nossa gente de forma regular, mas agora, cada família aqui tem pelo menos um de seus filhos na prisão”, declarou à HRW Yoseph, um morador de Oromia de 52 anos.

Algumas mulheres sofreram abusos sexuais e outros detidos foram torturados enquanto permaneciam sob custódia: pendurados pelos tornozelos, agredidos, eletrocutados e com pesos amarrados aos testículos.

A repressão dos protestos também foi possível devido a um “apagão” informativo, que levou o governo etíope a censurar todas as informações dos veículos de imprensa, inclusive no exterior, e a restringir o acesso às redes sociais, como o Facebook.

Apesar de o regime autoritário de Hailemariam Desalegn – cuja vitória arrasadora nas eleições do ano passado deixou a oposição sem uma única cadeira no parlamento – ter cancelado o plano urbanístico em janeiro, a repressão do governo continuou nos últimos meses.

A HRW pediu à comunidade internacional e à ONU, especificamente, que investiguem esses abusos e peçam a libertação dos detidos.

“Os apoiadores estrangeiros da Etiópia permaneceram calados”, lamentou Lefkow.

Oromia é a maior região do país e lar de seu grupo étnico mais importante, que é integrado por cerca de 27 milhões de pessoas, de uma população total de mais de 94 milhões de habitantes.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s