A neutralização do terrorista de Nice contada pela polícia

Saiba como foi a intervenção da polícia por um dos três policiais que matou Mohamed Lahouaiej-Bouhlel

São Paulo – A queima de fogos de artifício durante o feriado nacional de 14 de julho em Nice acabava de terminar. Uma chamada por rádio afirma que um caminhão atropelou pedestres. A multidão corre “para todos os lados”, os corpos jazem no chão.

Saiba como foi a intervenção da polícia por um dos três policiais que matou Mohamed Lahouaiej-Bouhlel.

Parada na esquina de uma avenida e da Promenade des Anglais, uma equipe da “brigada de chão especializada” da polícia – uma mulher e dois homens – observa os muitos espectadores da queima de fogos retornando para casa.

Estes três policiais são responsáveis ​​por “garantir a segurança da Promenade”, conta um deles em um relatório verbal que a AFP teve acesso neste domingo.

Eles, então, recebem uma chamada por rádio indicando que um caminhão atropelou muitos espectadores. Muito rapidamente, uma segunda mensagem de rádio os informa que o caminhão está na Promenade des Anglais.

Os três policiais correm pela famosa avenida que beira o Mar Mediterrâneo.

Frente a um dos policiais, “está um caminhão acidentado”. “Ele para na frente do veículo, completamente destruído, sem nem mesmo o capô do motor”, relata.

Vários metros para trás e sob o caminhão, os agentes veem pessoas caídas no chão, muito sangue e ouvem “seus choros e gritos”.

“Eu não compreendi imediatamente o que estava acontecendo”, admite o policial. “Corria gente em todas as direções”.

Um homem então sobe do lado do motorista do caminhão, e os policiais não sabem se ele tenta pegar ou bater no motorista. Dois outros policiais o seguram – ele, na verdade, era um transeunte que tentava deter o assassino.

O motorista do caminhão pega uma arma, os policiais veem “seu braço com uma arma de punho na mão direita”. Mohamed Lahouaiej-Bouhlel começa a atirar. O policial, a cerca de 15 metros, “saca sua arma e vai na direção” do assassino.

Tiros são disparados. O policial está “quase à sua frente”, à sua esquerda, enquanto o caminhão está na calçada.

O policial atira uma primeira vez mirando na cabeça, porque “é a única coisa” que ele vê. O motorista se abaixa antes.

Ele reaparece no banco do passageiro. O policial atira novamente, assim como seus dois colegas, escondidos atrás das palmeiras.

Então Lahouaiej-Bouhlel direciona sua arma para eles. O policial dispara novamente duas vezes antes de ver “sua cabeça cair para trás, do lado do passageiro do caminhão”.

Ele não sabe se matou o motorista. Entre os três, os policiais dispararam cerca de vinte tiros antes de receberem a ordem de parar de atirar.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s