Abdeslam percorreu Europa para reunir cúmplices de atentados

A suspeita é que Abdeslam tenha alugado pelo menos dois veículos para buscar outros jihadistas que estavam na Alemanha, Áustria e Hungria

Paris – Salah Abdeslam, um dos suspeitos de comandar os atentados do dia 13 de novembro em Paris, percorreu milhares de quilômetros por toda Europa ao longo do mês de setembro para reunir os outros terroristas e coletar o material utilizado por eles nos ataques, de acordo com os investigadores franceses.

Segundo informações divulgadas nesta quarta-feira pela emissora local “TF1”, a suspeita é que Abdeslam tenha alugado pelo menos dois veículos para buscar outros jihadistas que estavam na Alemanha, Áustria e Hungria.

Eles chegaram a essa conclusão após analisar a movimentação bancária e os equipamentos de GPS dos carros usados pelo suspeito, contra quem há uma ordem internacional de prisão.

Abdeslam, de 26 anos, partiu do distrito de Molenbeek, em Bruxelas, onde nasceu, em setembro rumo ao leste do continente.

Depois, teria feito uma segunda viagem no fim do mesmo mês para buscar os demais companheiros.

Os investigadores consideram, além disso, que alguns dos terroristas já identificados voltaram da Síria, onde não é possível seguir suas pistas após serem fichados pelos serviços secretos.

Esse seria o caso de Samy Amimour, Omar Ismail Mostefai, ambos identificados como dois dos três suicidas do Bataclan, e de Bilal Hadfi, que se explodiu perto do Stade de France.

Quem também teria retornado da Síria é Abdelhamid Abaaoud, considerado como o “cérebro” dos ataques e que foi morto pela Polícia da França em um apartamento de Saint-Denis cinco dias depois dos atentados, quando, de acordo com os investigadores, planejava outro ataque contra o distrito financeiro de Paris.

Além disso, as impressões digitais dos outros dois suicidas do Stade de France, ainda não identificadas oficialmente, foram rastreadas na Sérvia e na Grécia.

A presença de Abdeslam em Paris na noite dos atentados, quando seu irmão, Brahim, também se explodiu, está confirmada porque seu telefone foi rastreado na cidade.

De fato, o rastreamento das ligações de Abdeslam permitiu que as autoridades soubessem que ele esteve na cidade de Montrouge, no sul de Paris, no mesmo lugar onde foi encontrado, em uma fábrica de celulose, um colete de explosivos similar aos do Bataclan.

A emissora “TF1” afirmou que os investigadores não conseguiram encontrar impressões digitais nem traços de DNA no colete, já que o líquido usado pelo esquadrão antibombas para desativar o artefato destruiu qualquer pista.

Por outro lado, a revista semanal “Le Point” divulgou em seu site que a perna de um dos suicidas foi encontrada no Bataclan após ter sido esquecida pelos peritos franceses.

Trabalhadores da casa de espetáculos que a acharam atrás de um amplificador, dias depois de a Polícia ter terminado de analisar a cena do crime.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s