Acordo do clima implica reconstrução radical, dizem alemães

O acordo de Paris, explicou, "representa uma reconstrução radical de nossas fontes de energia, nossas cidades e nossa mobilidade"

Berlim – O ministro das Relações Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier, disse nesta quinta-feira que implementar o acordo de Paris contra a mudança climática implicará uma “reconstrução radical” das cidades, do transporte e do abastecimento de energia.

O ministro realizou estas declarações ao discursar no Diálogo sobre Transição Energética, uma iniciativa do Executivo alemão realizada entre hoje e amanhã em Berlim.

O acordo de Paris, explicou, “representa uma reconstrução radical de nossas fontes de energia, nossas cidades e nossa mobilidade”, o que obriga a começar quantos antes este processo de adaptação.

“Só poderemos implementar os compromissos de Paris se trabalharmos aqui e agora. Os verdadeiros esforços começam agora”, garantiu.

Apesar dos desafios, Steinmeier se mostrou convencido da viabilidade que realizar a transição energética e, em consequência, das opções reais para eliminar totalmente o CO2 da economia global para finais de século.

“Essa meta era quase impossível de se pensar há dez anos. Mas agora sabemos: a transição energética é tecnicamente possível e financiável”, afirmou.

Steinmeier acrescentou que a transformação energética começou a pegar corpo tanto em países emergentes como industrializados e citou, como exemplos, “a União Europeia, Estados Unidos, China, Índia e Brasil”.

Além disso, o ministro ressaltou a importância de apoiar os “países pobres”, que carecem de “experiência, tecnologia e capital” dos outros para dar com “soluções inovadoras”.

“São os que menos culpa têm com relação à mudança climática, mas são os que já na atualidade mais sofrem as consequências, de forma extrema em algumas ocasiões”, acrescentou.

A Alemanha se encontra imersa em um ambicioso processo de transição energética que pretende ser referência internacional e que procura acabar com a dependência da energia nuclear para 2022 e substituir progressivamente nas próximas décadas os combustíveis fósseis por renováveis como solar ou eólico.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s