Alemanha exige que refugiados respeitem sua cultura e leis

Por leis e valores alemães, significa "que digam o verdadeiro nome e país de origem, não lutar, respeitar os outros, independentemente da religião ou sexo"

O ministro do Interior alemão, Thomas de Maiziere, exigiu hoje (1º) aos refugiados que respeitem a cultura e as leis do país que os recebe, depois dos primeiros tumultos em centros de acolhimento.

Aceitar as leis e os valores alemães significa “que digam o verdadeiro nome e país de origem aos funcionários, não lutar, ter paciência e respeitar os outros, independentemente da religião ou sexo”, destacou o ministro numa intervenção no Parlamento (Bundestag), em Berlim.

De Maiziere ressaltou também o direito de todos os requerentes de asilo de serem tratados “em paz, com respeito e dignidade”.

O ministro garantiu que vai atuar “com toda a força do Estado de Direito” contra “os disparates ultradireitistas” e perante o forte aumento dos delitos contra estrangeiros, que já chegaram – disse – a tentativas de homicídio.

O ministro do governo de Angela Merkel apresentava no Bundestag as reformas legais para acelerar os processos, facilitar a integração dos refugiados, acelerar a deportação de quem não for aceito e aumentar o financiamento dos estados federados e dos municípios.

Dados do Ministério do Interior do estado da Baviera (Sul), principal acesso para os refugiados na Alemanha, mostram que só no mês passado o país recebeu entre 270 e 280 mil requerentes de asilo, mais do que em todo o ano passado.

De acordo com as previsões para este ano, o número total deverá ficar entre os 800 mil e 1 milhão de refugiados. “Muitos vão ficar” e “não devem ser apenas tolerados, mas totalmente aceitos” porque vão ser cidadãos, afirmou o ministro.

De Maiziere defendeu uma integração “em duas direções” e a importância de abrir rapidamente as portas do mercado de trabalho a quem tiver possibilidades reais de conseguir ficar na Alemanha e fomentar a aprendizagem da língua.

O ministro advertiu aos requerentes de asilo que respeitem as decisões das autoridades: “o asilo na Alemanha não significa a escolha livre do domicílio”.

Thomas de Maiziere reconheceu que alguns dos centros provisórios de acolhimento não são adequados e estão sobrelotados, mas pediu que não fossem feitas “exigências demasiadamente elevadas”.

“Todos fazem um esforço enorme e de momento é tudo o que se pode fazer”, declarou.

O ministro fazia alusão aos problemas registados na quarta-feira, em Hamburgo (Norte), para onde 500 agentes da polícia foram chamados para intervir num centro de acolhimento, na sequência de tumultos entre dois grupos de sírios e afegãos, num total de cerca de 200 pessoas.

Várias pessoas ficaram feridas, mas até ao momento desconhece-se um número exato.

Aparentemente, os incidentes foram causados por divergências sobre a utilização dos chuveiros e, de acordo com o diário Hamburguer Morgenpost, os dois grupos agrediram-se com barras de ferro e pedras.

Na terça-feira (29), uma rixa entre sírios e paquistaneses deixou dois feridos em Dresden (Leste). No domingo, 14 pessoas, incluindo três polícias, ficaram feridas num centro perto de Cassel (centro), depois de confrontos entre 70 paquistaneses e 300 albaneses.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s