Âncora célebre dos EUA aposta em poder midiático de Trump

Dan Rather, que acompanha convenções partidárias há 50 anos, destacou habilidade de republicano como showman

Austin (Texas, EUA) — Em meados do ano passado, a candidatura presidencial de Donald Trump era considerada uma curiosidade, um golpe de marketing pela maioria dos americanos. 

Dan Rather, um dos mais célebres âncoras da TV americana, dizia que o bilionário deveria ser levado a sério. Hoje, ninguém se arrisca a não levar o empresário nova-iorquino a sério. 

Trump tem vantagem considerável sobre seus adversários e é o grande favorito para ser o candidato do Partido Republicano nas eleições de novembro. 

Rather, 84, já entrevistou 11 presidentes americanos e cobre convenções partidárias há quase 50 anos. 

Na era das redes sociais, das conversas sobre política no Facebook e no Twitter, dos estrategistas digitais, Rather acredita que o meio de comunicação decisivo na escolha do próximo ocupante da Casa Branca será a boa e velha TV. 

Dan Rather foi um dos destaques do primeiro dia do South by Southwest Interactive, a maior conferência de tecnologia dos Estados Unidos, que acontece em Austin, no Texas. 

Talvez para decepção da plateia jovem e hiperconectada do evento, o jornalista de 84 anos disse que a TV ainda é o elemento chave das campanhas presidenciais. 

“Não tenho dúvidas de que a tecnologia digital — iPads, smartphones – são parte importante. Mas muita gente não tem acesso a esses gadgets”, disse Rather. “Talvez estejamos superestimando o impacto da mídia social.” 

A habilidade de Trump em aparecer na TV é um dos motivos pelos quais o candidato surpreendeu muita gente, diz Rather. “Trump sabe que a política americana é show business. E sabe que é um showman melhor que todos os adversários.” 

Além de ser um entertainer nato, Trump se beneficiou de uma realidade inegável das empresas de comunicação: os dólares da publicidade procuram a audiência — e Trump dá muita audiência. 

“Não quero pedir desculpas em nome de ninguém, mas a verdade é que o público também tem sua parcela de responsabilidade (pela surpreendente ascensão de Trump).” 

Jeb Bush, que abandonou a corrida há duas semanas, gastou 130 milhões de dólares com anúncios de TV. Trump obteve muito mais tempo de tela – sem gastar nada. 

Num hipotético – mas cada vez mais provável – embate entre Trump e Hillary Clinton, Rather acredita que a estratégia do bilionário será sair batendo, como ele fez logo no início contra seus adversários republicanos. 

Foi assim que ele monopolizou a agenda do partido – e as ondas do ar. O desafio será manter a atenção do eleitorado. “O Trump que você vê na TV é o verdadeiro Donald Trump. Mas existe o risco de que, depois de algum tempo, as pessoas parem de prestar atenção no que ele diz.” 

Será que Trump terá de ser cortês e educado para manter os eleitores interessados?

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s