Anistia denuncia execuções extrajudiciais no Burundi

A organização documenta execuções extrajudiciais, detenções arbitrárias e ataques da polícia em resposta a várias ofensivas contra instalações militares

Nairóbi – As forças de segurança do Burundi mataram dezenas de pessoas no dia 11 de dezembro, muitas delas executadas de forma sumária, denunciou nesta terça-feira a Anistia Internacional (AI).

“Trata-se do dia mais sangrento desde que começou a crise política. As ruas de Bujumbura estavam cheias de corpos, muitos dos quais tinham um tiro na cabeça”, explicou a diretora regional da AI, Muthoni Wanyeki, que pediu uma investigação exaustiva ao governo burundinês.

Em nota informativa intitulada “Meus filhos estão assustados”, a organização documenta execuções extrajudiciais, detenções arbitrárias e ataques da polícia em resposta a várias ofensivas contra instalações militares.

Durante a operação de busca e apreensão dos responsáveis dos ataques, as forças de segurança foram atacadas por grupos de jovens armados.

Foi a partir desse momento que os agentes começaram a entrar nas casas para prender pessoas de forma arbitrária e matar dezenas de cidadãos.

“As táticas violentas das forças de segurança utilizadas nesse dia representam uma dramática escalada na intensidade em comparação com operações prévias”, alertou Wanyeki.

Segundo denuncia a ONG, a maioria das vítimas eram homens que foram tirados à força de suas casas e depois executados ou receberam um tiro logo após abrir a porta.

No bairro de Nyakabiga, os corpos de pelo menos 21 homens foram achados em ruas, casas e fundações, e os moradores locais identificaram algumas das vítimas: um vendedor ambulante, um professor, um empregado doméstico e vários menores de idade.

No dia seguinte, o porta-voz do exército anunciou que pelo menos 79 “inimigos” do governo tinham morrido, assim como quatro soldados e quatro policiais, mas sem diferenciar entre os que realmente puderam participar dos ataques às bases militares e os moradores executados a sangue frio.

Pelo menos 400 pessoas morreram no Burundi desde abril, quando teve início uma série de violentos protestos depois que o presidente, Pierre Nkurunziza, anunciou a intenção de se candidatar às eleições pela terceira vez, algo proibido pela Constituição.

As eleições foram realizadas e Nkurunziza ganhou o pleito em julho com 69% dos votos, resultado que a comunidade internacional não reconheceu pela falta de garantias durante sua realização.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s