Apuração confirma vitória dos conservadores na Irlanda

O resultado das 40 circunscrições situou o centrista Fianna Fáil (FF) de Micheál Martin na segunda posição a seis cadeiras dos conservadores

Dublin – A apuração de votos das eleições gerais irlandesas terminou nesta quinta-feira, após seis dias de lenta apuração, e confirmou o Fine Gael (FG) do primeiro-ministro, o democrata-cristão Enda Kenny, como ganhador com 50 deputados.

O resultado das 40 circunscrições situou o centrista Fianna Fáil (FF) de Micheál Martin na segunda posição a seis cadeiras dos conservadores, com os quais considerará agora a possibilidade de formar uma grande governo de coalizão.

Os dois partidos, rivais históricos que se alternaram no poder desde a independência da Irlanda há quase um século, manterão hoje encontros separadamente com seus novos deputados para explorar essa opção.

O esquerdista Sinn Féin de Gerry Adams aparece na terceira posição com 23 cadeiras, nove a mais que na anterior legislatura, quando a câmara Baixa de Dublin (Dáil) tinha 166 parlamentares (agora tem 158).

O antigo braço político do já inativo Exército Republicano Irlandês (IRA) indicou que apresentará a candidatura de Adams ao posto de “Taoiseach” (primeiro-ministro) em uma primeira sessão de posse prevista para 10 de março, apesar de ter poucas possibilidades de prosperar.

O líder republicano aspira governar em minoria com um bloco de esquerda integrado por formações minoritárias e candidatos independentes, um grupo cujo espetacular crescimento neste pleito o levou a ocupar agora 30% do Dáil.

Também o “Taoiseach” interino, Kenny, considerou o apoio dos partidos pequenos e independentes para formar governo após o afundamento do Partido Trabalhista, seu parceiro no Executivo durante os últimos cinco anos.

O eleitorado castigou duramente nas urnas as políticas de austeridade de conservadores e trabalhistas, que perderam 26 e 30 deputados, respectivamente, mas ambos explorarão a reedição da coalizão com outros apoios.

Se nenhum destes pactos de governo se cristalizar, os especialistas sustentam que haverá novas eleições gerais dentro de seis meses.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s