Atentado terrorista contra hotel no Sinai deixa 7 mortos

Um juiz, dois policiais e um civil perderam a vida no ataque ao hotel Swiss Inn, quando um terrorista detonou o colete de explosivos que usava junto ao corpo

Cairo – Um atentado com carro-bomba contra um hotel que hospedava juízes na cidade de Al Arish, no norte da Península do Sinai, no Egito, provocou nesta terça-feira a morte de pelo menos sete pessoas, três delas terroristas, além de deixar outras 14 pessoas feridas.

Um juiz, dois policiais e um civil perderam a vida no ataque ao hotel Swiss Inn, quando um terrorista detonou o colete de explosivos que usava junto ao corpo, informou o Ministério do Interior egípcio.

O exército egípcio explicou em sua página no Facebook que um extremista conseguiu entrar no edifício e ativar os explosivos na cozinha. Outro invadiu um dos quartos do hotel, onde assassinou a tiros o juiz.

Esse atentado aconteceu após que as forças de segurança prenderem e explodirem um carro-bomba conduzido por um terceiro terrorista em uma barreira de segurança no perímetro do hotel.

O comunicado detalha que entre os feridos figuram dois juízes, três oficiais da polícia, cinco recrutas e dois civis.

Fontes oficiais e dos serviços de segurança consultadas pela Agência Efe nesta manhã disseram que houve um tiroteio no acesso ao hotel Swiss Inn, próximo à praia, aos arredores de Al Arish.

A explosão causou a destruição dos vidros das janelas e portas do hotel e a queda de alguns muros. As forças de segurança fecharam a rua que leva ao hotel e as zonas divisórias.

No hotel se hospedavam juízes que tinham viajado ao norte do Sinai para supervisionar as eleições parlamentares realizadas no domingo e na segunda-feira.

Não foram registrados incidentes durante o pleito na região, embora a participação eleitoral tenha sido muito baixa.

O norte do Sinai é reduto de vários grupos extremistas, entre eles a filial egípcia do Estado Islâmico (EI), Wilayat al-Sina, que intensificou seus ataques contra as forças de segurança do país desde o golpe de Estado de julho de 2013.

O Wilayat al-Sina afirma que derrubou o avião da companhia russa Metrojet no último dia 31 de outubro no Sinai, com 224 pessoas a bordo, como vingança pelos bombardeios russos na Síria.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s