Autor de massacre no Japão queria “salvar” deficientes

Suposto autor do massacre em uma clínica para deficientes no Japão, um ex-funcionário do local, afirmou que queria "salvar" internos com deficiência grave

Tóquio – O suposto autor do massacre em uma clínica para deficientes psíquicos no Japão, um ex-funcionário do local, afirmou nesta quarta-feira (data local) que queria “salvar” os internos com maior grau de deficiência, segundo informações das autoridades.

Identificado como Satoshi Uematsu, de 26 anos, invadiu na madrugada de terça-feira em centro de deficientes psíquicos na cidade de Sagamihara (cerca de 50 quilômetros ao oeste de Tóquio), e atacou a facadas os pacientes, matando 19 pessoas e deixando 26 feridos.

O homem se entregou em uma delegacia de polícia perto da clínica e declarou que seu objetivo era “se livrar das pessoas com deficiência”, e que atacou aqueles pacientes “que não podiam se comunicar bem”, segundo disseram fontes da investigação para a agência de notícias “Kyodo”.

O suspeito também afirmou que sua intenção era “salvar” as pessoas com deficiências múltiplas e não mostrou nenhum arrependimento pelo ataque, garantiram as mesmas fontes.

Uematsu continua detido e está previsto que a promotoria apresente hoje acusações de homicídio contra ele.

A maioria dos mortos – dez mulheres e nove homens com idades entre 19 e 70 anos – era residente da clínica com um alto grau de deficiência, informou a emissora pública “NHK”.

Além disso, grande parte dos 26 feridos que seguem hospitalizados – entre eles quatro estão em coma – foram esfaqueados no pescoço, segundo disse em entrevista coletiva Takao Arai, diretor do Centro Médico de Hachioji, concluindo que com este tipo de lesão, Uematsu “teve a clara intenção de matar”.

O suposto agressor tinha sido funcionário da clínica do final de 2012 até fevereiro deste ano, quando abandonou seu emprego alegando motivos pessoais, segundo afirmou um porta-voz de Sagamihara, cidade da província de Kanagawa.

Antes de deixar seu emprego, Uematsu tinha se manifestado a favor da prática da eutanásia nos deficientes e inclusive revelou para seus colegas de trabalho que acabaria ele mesmo com a vida destas pessoas, por isso foi investigado pela polícia e esteve internado em um centro psiquiátrico por ser considerado “perigoso”.

O massacre comoveu todo o Japão por se tratar de um dos crimes mais sangrentos de sua história recente. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s