Autor do massacre de Nice se radicalizou de forma rápida

Mohamed Lahouaiej Bouhlel cometeu o atentado que matou 84 pessoas na última quinta-feira

Nice – Mohamed Lahouaiej Bouhlel, autor do massacre de Nice, não tinha dado sinais de extremismo religioso a pessoas próximas, mas se radicalizou de forma rápida até cometer o atentado que matou 84 pessoas na última quinta-feira, reivindicado neste sábado pelo Estado Islâmico (EI) como obra de um de seus “soldados”.

Descrito como introvertido e até mal educado, mulherengo e quase viciado em sexo, que não ia à mesquita e nem respeitava os preceitos do islã, Boulhel entrou em contato com círculos radicais que o converteram de forma rápida, explicou aos investigadores franceses um dos cinco presos após o atentado.

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, reiterou que o tunisiano, de 31 anos, pai de três filhos, e que trabalhava como entregador, não tinha dado sinais de aproximação com jihadistas.

Mas os agentes conseguiram determinar que ele se “radicalizou muito rapidamente” até começar a seguir os preceitos do EI, que preconiza ações terroristas contra os países que participam da coalizão internacional que combate o grupo na Síria e no Iraque.

O ministro de Defesa, Jean-Yves Le Drian, reconheceu na ação de Boulhel a “inspiração que o EI insufla em mentes debilitadas” por meio de constantes mensagens que lança para “atacar franceses, principalmente, e americanos, através de qualquer meio”.

A França encontrou na reivindicação do atentado pelo EI e nos depoimentos da rápida radicalização do tunisiano o respaldo à tese de que o atentado de Nice tinha inspiração jihadista.

A hipótese tinha sido colocada em dúvida pelos vários testemunhos que situavam Boulhel afastado do fanatismo religioso e que o descreviam como um mulherengo, viciado em musculação, amante do álcool e dançarino de salsa.

Cazeneuve, que participou de uma reunião com os ministros de Segurança e Defesa no Palácio do Eliseu hoje, afirmou que o atentado de Nice abre uma nova perspectiva na luta contra o terrorismo, já que é mais difícil identificar os potenciais autores.

O autor do massacre de Nice não precisou montar um arsenal de armas e explosivos para cometer o atentado que, até o momento, provocou a morte de 84 pessoas. Usou algo banal – um caminhão frigorífico – com o qual burlou a segurança que rodeava a avenida beira-mar de Nice e invadiu a tradicional festa do Dia da Bastilha.

Boulehl tinha premeditado o ataque, já que alugou o caminhão três dias antes. Além disso, tinha intenção de matar, fato mostrado por ter conduzido o veículo em zigue-zague para atropelar o maior número de pessoas possível.

Os investigadores franceses continuam analisando os materiais apreendidos no caminhão e nos domicílios de Boulhel – um, onde vivia sozinho, e outro, onde morou com sua ex-mulher até 2014.

Cinco pessoas, entre elas a ex-mulher, seguem sendo interrogadas pelas autoridades francesas em busca de novos elementos que possam esclarecer o ataque. Um deles, segundo a emissora “BFMTV”, foi identificado pelas fotos que Boulhel tinha no celular achado na cabine do caminhão. Foi ele quem falou aos agentes sobre a rápida radicalização do autor do massacre. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s