Bangladesh faz operação contra agressores de minorias

A comunidade internacional pressiona de forma crescente as autoridades de Bangladesh para que coloquem fim a esta série de assassinatos

A polícia de Bangladesh realizou nesta terça-feira violentas operações contra islamitas radicais suspeitos de uma série de assassinatos contra membros de minorias religiosas e intelectuais.

Ao mesmo tempo que o corpo de um sacerdote hindu era encontrado, praticamente decapitado, no oeste de Bangladesh, as forças de segurança realizaram um duplo ataque, em Dacca e no noroeste do país, no qual três islamitas, supostos membros de um grupo jihadista, local morreram.

Os dois integrantes do grupo islamita Jamayetul Mujahideen Bangladesh (JMB), que morreram em Dacca, são suspeitos de ter desempenhado um papel na “maioria dos ataques recentes”, entre eles a explosão de uma bomba em uma mesquita xiita e o assassinato de um professor, segundo um funcionário de alto escalão da polícia.

Outro membro do JMB morreu em um tiroteio com a polícia em Godagaro (noroeste), segundo o chefe da polícia local.

A comunidade internacional pressiona de forma crescente as autoridades de Bangladesh para que coloquem fim a esta série de assassinatos que provocaram mais de 40 mortes – de intelectuais, defensores de um sistema laico e membros das minorias religiosas – em três anos.

A última vítima foi o sacerdote hindu, de 70 anos, 11ª pessoa assassinada em pouco mais de dois meses. A maioria destes ataques foram reivindicados pela organização Estado Islâmico (EI).

No entanto, o governo dirigido por Sheikh Hasina atribui estes assassinatos a islamitas bengaleses, e nega a presença no país do EI e de um braço da Al-Qaeda no sul da Ásia.

“Complô internacional”

O corpo de Gopa Ganguly, com a cabeça praticamente separada do pescoço, foi encontrado em um arrozal perto de sua casa em Noldanga, distrito de Jhenidah, informou à AFP o chefe adjunto da polícia local.

“Saiu esta manhã de sua casa dizendo que ia a uma casa hindu para fazer suas orações. Camponeses encontraram seu corpo praticamente decapitado em um arrozal”, explicou.

“O modo operacional do assassinato é comparável ao utilizado recentemente por islamitas locais”, acrescentou.

O ministro do Interior, Asaduzzaman Khan, voltou a acusar nesta terça-feira o principal partido de oposição, o Bangladesh Nationalist Party (BNP), de estar envolvido nestes ataques que formam parte, segundo ele, de um complô internacional no qual também participam os serviços de inteligência israelenses, o Mossad.

“Estes assassinatos formam parte de um complô nacional e internacional. Os que participam deles estão vinculados ao Mossad”, disse Khan à AFP.

Um funcionário de alto escalão do BNP foi acusado no mês passado de sedição por ter conspirado contra o Estado durante um encontro com um conselheiro do governo israelense.

Aslam Chowdhury foi detido depois que seu encontro com Mendi Safadi, realizado na Índia em março, foi revelado pela imprensa de Bangladesh.

Segundo os especialistas, a onda de repressão contra a oposição radicalizou boa parte dos opositores.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s