Barack Obama recebe presidente chinês na Casa Branca

Os líderes das duas maiores economias do mundo se encontraram em meio a grandes pompas, com guarda de honra militar nos jardins da Casa Branca

O presidente Barack Obama recepcionou nesta sexta-feira seu colega chinês, Xi Jinping, na Casa Branca, em meio às tensões entre as duas superpotências ocasionadas pelos ciberataques e as reclamações marítimas por parte de Pequim.

Os líderes das duas maiores economias do mundo se encontraram em meio a grandes pompas, com guarda de honra militar nos jardins da Casa Branca.

Na véspera, Obama recebeu Xi Jinping para um jantar que lhes permitiu analisar questões de atrito e também fazer avançar a relação bilateral.

Os dois líderes jantaram na Casa Branca, em um encontro informal, mas de importância equivalente aos atos oficiais previstos para esta sexta-feira.

Os analistas estimam que Xi percebeu a saudação de 21 salvas de canhão e o jantar na Casa Branca como uma demonstração ao povo chinês de que o país é tratado como grande potência mundial.

Xi, que iniciou sua visita aos Estados Unidos com uma reunião em Seattle com os presidentes de empresas, é visto em Washington como um dos líderes chineses mais fortes em décadas, consolidando o poder político, militar e governamental a uma velocidade só vista na gestão de Deng Xiaoping.

Mas esta firmeza tem gerado sérias disputas marítimas, econômicas e de cibersegurança, que funcionários americanos afirmam estar desestabilizando as complexas e delicadas relações bilaterais.

Em reuniões prévias, os acordos sobre mudança climática, comércio e cooperação militar ajudaram a enfatizar os aspectos positivos entre as duas potências.

Desta vez, tais avanços são pouco prováveis, mas um acordo sobre segurança cibernética não está descartado.

Na terça-feira, Xi afirmou que Pequim não tem envolvimento com hackers ou com ataques informáticos no planeta, rebatendo as acusações neste sentido.

Obama e Xi tratarão de destacar a cooperação para deter os programas nucleares de Irã e Coreia do Norte, os esforços contra o aquecimento global e os laços entre as duas Nações.

Também se espera um acordo sobre a redução dos riscos de confrontos militares aéreos.

Há dois dias, funcionários americanos revelaram que dois caças chineses passaram perigosamente perto de um avião espião americano que voava no espaço aéreo internacional sobre o Mar Amarelo.

O incidente ocorreu no dia 15 de setembro, quando os caças chineses interceptaram uma aeronave de reconhecimento RC-135 e cruzaram sua rota, explicou um funcionário, que pediu para não ser identificado.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s