Cameron pede a deputados que autorizem bombardeios na Síria

O primeiro-ministro conservador já tinha indicado que só apresentaria a moção se tivesse certeza de que seria aprovada

Londres – O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, pediu nesta terça-feira aos deputados de todos os partidos que votem amanhã a favor do bombardeio de posições do Estado Islâmico (EI) na Síria, ao fim de um intenso debate na Câmara dos Comuns.

O governo apresentará amanhã uma moção para ampliar à Síria os ataques aéreos contra o EI que o Reino Unido já faz no Iraque, depois de o líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, dar aos seus deputados liberdade de voto.

O primeiro-ministro conservador já tinha indicado que só apresentaria a moção se tivesse certeza de que seria aprovada.

“Vou apresentar os argumentos e espero que a maior quantidade possível de membros do parlamento, de todos os partidos, me apoiem. Tivemos uma reunião do governo esta manhã e finalizamos a moção que será apresentada na Câmara dos Comuns”, disse Cameron em uma declaração em sua residência em Downing Street.

O primeiro-ministro acrescentou que a moção expõe a necessidade de tomar medidas militares contra o EI na Síria, mas também lembra que a intervenção é parte de uma ampla estratégia para lidar com o conflito na região.

“Trata-se de política, diplomacia e ajuda humanitária”, insistiu Cameron, que ressaltou a necessidade de conseguir a paz na Síria.

Corbyn tinha indicado na semana passada que não apoiaria os bombardeios na Síria por considerar que a estratégia de Cameron não garantiria a segurança britânica diante da ameaça que o EI representa.

Após intensas negociações com os membros trabalhistas do chamado “Gabinete na sombra” e diante dos desacordos internos, Corbyn optou ontem por dar aos seus deputados liberdade de voto, já que muitos tinham manifestado seu desejo de apoiar os ataques.

No final de 2014, a Câmara dos Comuns autorizou o Reino Unido a bombardear posições do EI no Iraque, mas não na Síria.

Corbyn se opõe a qualquer intervenção militar no Oriente Médio e foi uma das principais vozes contrárias à Guerra do Iraque de 2003, o que o levou a participar de manifestações contra o conflito junto ao grupo “Stop the war coalition”.

Cameron sustenta que os atentados de 13 de novembro em Paris, que deixaram 130 mortos, tornou mais urgente acelerar a decisão do governo britânico sobre os bombardeios.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s