Risco de contrair zika nos EUA é “muito baixo”, dizem EUA

A Casa Branca informou que o risco de contrair o vírus do zika no território continental dos Estados Unidos é "muito baixo" por enquanto

Washington – A Casa Branca informou nesta quinta-feira que o risco de contrair o vírus zika no território continental dos Estados Unidos é “muito baixo” por enquanto, e que a preocupação principal das autoridades é com as mulheres grávidas.

“Neste momento, nos Estados Unidos, o risco de essa doença ser transmitida pelos mosquitos é muito baixo, porque as temperaturas de janeiro na América do Norte são bastante insustentáveis para as populações de mosquitos”, disse o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, em sua entrevista coletiva diária.

“Mas, obviamente, isso vai mudar. As temperaturas acabarão subindo, e temos que levar em conta qualquer risco potencial aqui nos Estados Unidos”, acrescentou.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) teme que o surto do zika vírus afete de três a quatro milhões de pessoas nas Américas em 2016, por isso convocou para a próxima segunda-feira um comitê de especialistas que determinará se esta emergência sanitária é de alcance internacional.

O zika é transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti, que está presente em toda a região, com exceção de Canadá e Chile continental.

“A preocupação que temos se centra, sobretudo, nas mulheres grávidas, ou as mulheres que podem ficar grávidas, devido à preocupante correlação que os cientistas creem que há entre contrair o vírus do zika e a manifestação de um defeito particular de nascimento”, explicou Earnest.

Acredita-se que o zika está relacionado com o aumento dos casos de microcefalia em bebês recém-nascidos se a mãe contraiu o vírus durante o primeiro trimestre de gestação.

O zika costuma causar sintomas “relativamente leves”, lembrou Earnest, como febre baixa, erupção cutânea com pontos brancos ou vermelhos e, em menor frequência, dor muscular e articular.

Apesar dessa análise da Casa Branca sobre os Estados Unidos continental, as autoridades sanitárias de Porto Rico aconselharam hoje as mulheres a não ficarem grávidas até que sejam conhecidos mais detalhes sobre a relação entre o vírus do zika e o nascimento de crianças com microcefalia.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) disseram hoje que contabilizaram 51 casos de pessoas infectadas pelo zika vírus, 31 delas no território continental, 19 em Porto Rico e uma nas Ilhas Virgens.

Os EUA também emitiram um alerta de viagem a vários países da região, entre eles o Brasil. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s