China mata 17 suspeitos de terrorismo, entre eles crianças

Hoje, o Ministério das Relações Exteriores negou saber das informações publicadas pela rádio alemã

Pequim – As forças de segurança da China mataram 17 pessoas, incluindo mulheres e crianças, na região de Xinjiang, no noroeste do país, acusadas de estarem relacionadas com o ataque a uma mina ocorrido há dois meses, no qual houve pelo menos 50 vítimas, informou nesta quarta-feira a rádio alemã “Free Ásia”.

O governo chinês não informou sobre o ataque à mina ocorrido em setembro. Hoje, o Ministério das Relações Exteriores negou saber das informações publicadas pela rádio alemã, que cita fontes da polícia de Xinjiang.

Segundo a rádio, um grupo de pessoas armadas com facas atacou no dia 18 de setembro os seguranças que vigiavam uma mina.

Posteriormente, invadiram a casa do dono do local assim como os dormitórios dos trabalhadores na Prefeitura de Bay, em Xinjiang, habitada pela minoria muçulmana uigur, comumente combatida pela etnia han, majoritária na China.

A China acusa os separatistas de Xinjiang de serem os responsáveis por esses enfrentamentos e considera que membros da minoria uigur fazem parte de organizações terroristas como o Movimento do Islâmico do Turquestão Oriental (ETIM), que seria ligado a organizações como o Estado Islâmico (EI).

Os uigures negam e dizem que a violência é consequência de anos de repressão de sua cultura por parte do regime chinês.

No caso da mina, morreram pelo menos 50 pessoas – entre eles, cinco policiais.

Em resposta, as forças de segurança chinesas lançaram uma operação de busca e captura dos suspeitos do ataque e de seus familiares, uma ação que terminou com 17 mortes, entre eles de três homens que eram supostamente líderes do grupo, além de sete mulheres e crianças.

“Escutei de companheiros que participavam da operação que as forças militares explodiram uma caverna onde os suspeitos se escondiam. Foram recuperados 17 corpos após a explosão”, disse à “Free Ásia” Ghalip Memthe, oficial da polícia.

A notícia foi publicada depois de, no sábado, o Ministério da Segurança Pública ter publicado um comunicado no qual assegurava que a Polícia de Xinjiang tinha encerrado, com sucesso, uma operação após uma perseguição de 56 dias, apesar de não ter detalhado quem eram os alvos da operação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s