China chama ‘exterminador’ para reduzir consumo de carne

O governo chinês lançou nesta semana uma campanha para incentivar as pessoas a cortar pela metade o consumo de proteína animal

São Paulo – O governo chinês lançou nesta semana uma campanha para incentivar as pessoas a cortar pela metade o consumo de carne.
Em três décadas, o consumo de proteína animal na China aumentou seis vezes, associado ao boom econômico do país.

Hoje, o gigante asiático é responsável por 28% do consumo de carne bovina e produtos lácteos e metade da carne de porco do mundo. As novas diretrizes alimentares da China representam uma grande ruptura com as tendências de alimentação em todo o mundo. 

A campanha conta com o apoio de um filmete com participação do diretor James Cameron, do ator e ex-governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger e da atriz mais famosa da China, Li Bingbing. Veja abaixo:

Less Meat, Less Heat: Behind the Scenes with James Cameron & Arnold Schwarzenegger from WildAid on Vimeo.

No vídeo, Cameron diz que ele, como ativista ambiental, precisa questinar o hábitos à mesa e o astro Schwarzenegger revela  que, com a idade, seus médicos recomendaram que ele reduzisse o consumo de carne e derivados para melhorar sua saúde de forma geral e que se sente “fantástico” desde que seguiu o conselho. 

As diretrizes de redução no consumo de carne, anunciadas pelo Ministério da Saúde da República Popular da China, destinam-se a melhorar a saúde pública, e também a ter um impacto significativo sobre o clima.

O consumo excessivo de produtos de origem animal, como carnes processadas, está associado à obesidade e um aumento do risco de contrair doenças cardíacas e diabetes tipo 2.

Segundo ambientalistas, se seguida, a orientação geraria efeitos positivos para o meio ambiente. A pecuária representa quase 15% do total das emissões dos gases causadores do aquecimento global.

Se forem seguidas, as emissões de gases efeito estufa do país podem cair significativamente: 6% das emissões nacionais, ou 1,5% das emissões globais.

Recentemente, dois estudos – um do thinkthank britânico Chatham House e outro publicado na PNAS, a publicação oficial da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos – sugeriram que o nível atual de consumo de carne não é sustentável devido ao seu enorme impacto sobre a saúde da sociedade e do meio ambiente.

No mês passado, o Conselho de Ética da Dinamarca recomendou ao governo a criação de um imposto sobre o consumo da carne devido a sua grande pegada de carbono. Segundo o grupo, sem diminuir o consumo de carne, seria impossível atingir a meta do acordo climático de Paris, que busca limitar em 2ºC o aumento da temperatura global até 2100, a fim de se evitar os piores efeitos das mundanças climáticas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s