Coalizão opositora venezuelana planeja renúncia de Maduro

Na última sexta-feira, Ramos Allup, presidente do Parlamento, declarou que o presidente "vai rejeitar tudo o que a Assembleia propuser"

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) pediu nesta segunda-feira ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que renuncie e, deste modo, abra caminho para uma mudança de governo.

“O primeiro passo é se afastar e permitir que a Venezuela construa um saída pacífica, constitucional, eleitoral, democrática e acordada para esta crise”, disse o secretário-executivo da MUD, Jesús Torrealba, em um programa de rádio.

As declarações de Torrealba se somam às posições do presidente do Parlamento de maioria opositora, Henry Ramos Allup, e do ex-candidato presidencial Henrique Capriles, que planejam antecipar o fim do mandato de Maduro por vias constitucionais.

Na última sexta-feira, Ramos Allup declarou que o presidente “vai rejeitar tudo o que a Assembleia propuser” e, portanto, a MUD definirá posteriormente, em junho, um mecanismo legal para encurtar seu mandato de seis anos.

Derrotado na eleição presidencial de 2013, Capriles declarou, na quinta-feira passada, que chegou a hora de convocar um referendo revogatório e planejar uma emenda constitucional que antecipe a saída do governante socialista.

“O tempo constitucional para um referendo revogatório e para a emenda constitucional chegou”, declarou Capriles, líder da ala moderada da MUD.

Torrealba advertiu que a crise econômica venezuelana é de tal gravidade que não haverá recursos para cobrir os gastos fiscais de 2016.

“Tenho razões políticas e econômicas para acreditar em que esta saída pacífica, constitucional, eleitoral e acordada é possível”, defendeu.

Maduro assegura que enfrenta uma “guerra econômica” da direita e de empresários que se viu agravada pela queda dos preços do petróleo. Ele acusa a oposição de manter um “modelo desestabilizador e de golpe de Estado contínuo”.

O mandato do chefe de Estado termina em 2019, mas as leis venezuelanas contemplam a possibilidade de convocar um referendo revogatório quando cumprir a metade do mandato, o que ocorrerá em 19 de abril próximo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s