Conferência sobre Oriente Médio acontecerá em junho em Paris

Benjamin Netanyahu rejeitou na segunda-feira o projeto francês de conferência internacional para reativar os esforços de paz com os palestinos

A conferência internacional sobre o Oriente Médio, por iniciativa da França, será realizada no dia 3 de junho em Paris, e o secretário americano de Estado, John Kerry, participará do evento, afirmou nesta terça-feira o primeiro-ministro francês, Manuel Valls.

“Os israelenses sabem que esta conferência internacional será realizada no dia 3 de junho em Paris, sabem que os americanos, por exemplo, estarão presentes com o secretário de Estado John Kerry”, disse Valls em uma entrevista concedida em Jerusalém à rádio francesa Europe 1.

“Também sabem que é preciso dialogar a qualquer custo com os países árabes, penso em Egito, em Jordânia, mas também amanhã, inquestionavelmente, com a Arábia Saudita”, acrescentou Valls.

“A força” da França “é sua capacidade de falar com todos”, acrescentou.

Benjamin Netanyahu rejeitou na segunda-feira o projeto francês de conferência internacional para reativar os esforços de paz com os palestinos, e propôs que Paris acolha negociações bilaterais israelenses-palestinas, segundo ele “o único meio de avançar em direção a paz”.

O projeto francês é organizar até o fim do ano uma conferência de paz internacional.

Para assentar as bases desta conferência, vinte ministros das Relações Exteriores e representantes de organizações internacionais se reunirão no dia 3 de junho em Paris, sem a presença de israelenses ou palestinos.

Netanyahu sempre se opôs à ideia de uma conferência internacional e se ofereceu em diversas ocasiões para se reunir com o presidente palestino, Mahmud Abbas. A única novidade é que as negociações bilaterais seriam realizadas em Paris.

Manuel Valls argumentou que “esta conferência internacional é útil porque criará as condições, amanhã, de um marco no qual palestinos e israelenses se falarão diretamente”.

“O status quo é uma bomba-relógio, e porque somos amigos de Israel e dos palestinos consideramos que a paz é necessária”, acrescentou.

“Não fazemos isso pelas costas dos israelenses ou palestinos, fazemos com a vontade de restabelecer um diálogo equilibrado entre as duas autoridades, entre os dois governos, para levar (…) à criação de dois Estados, um israelense, um palestino”, explicou.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s