Coreia do Norte reafirma que seguirá com programa nuclear

Esta afirmação ocorre um dia depois que a AIEA expressou sua suspeita de que Pyongyang esteja ampliando novamente seu programa nuclear

Seul – A Coreia do Norte anunciou nesta terça-feira que produzirá “mais armas nucleares e com maior variedade” e que promoverá sua política externa graças ao status internacional que alcançou com dito programa armamentístico, segundo os veículos de imprensa estatais.

Esta afirmação ocorre um dia depois que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) expressou sua suspeita de que Pyongyang esteja ampliando novamente seu programa nuclear com possíveis fins militares.

“Estas armas (nucleares) não foram concebidas como uma ameaça para a paz. Não as utilizaremos a menos que sejamos agredidos com um ataque nuclear”, afirma a edição de hoje do jornal “Rodong”, oficial do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte.

Ao mesmo tempo, Pyongyang aspira promover uma “política diplomática ativa” e “proporcional ao status global” que alcançou graças a seu programa de armamento nuclear, segundo o mesmo meio.

Esta estratégia inscreve-se na política “byeongjin” promovida pelo líder Kim Jong-un, consistente em impulsionar de maneira simultânea o desenvolvimento econômico e de armas nucleares, e que o ditador voltou a reivindicar no histórico VII Congresso do Partido dos Trabalhadores realizado em Pyongyang no início de maio.

No véspera, o diretor-geral da AIEA, Yukiya Amano, disse em entrevista coletiva que a AIEA tem “indícios relacionados com o reator de 5 Megawatts (em Yongbyon), a expansão das instalações de enriquecimento (de urânio) e atividades relacionadas com o reprocessamento (nuclear)”.

Um porta-voz da AIEA precisou que “é possível que se esteja reprocessando combustível usado” da usina de Yongbyon, situada a 90 quilômetros ao norte de Pyongyang, a partir das análises que este organismo realiza das atividades nucleares do país asiático via imagens de satélite.

A Coreia do Norte realizou desde 2006 quatro testes nucleares, o mais recente em janeiro deste ano quando o regime “juche” (auto-suficiência) garantiu ter detonado uma bomba de hidrogênio, o que no entanto muitos analistas e especialistas duvidaram.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s