Crise venezuelana entra em nova fase de tensão

Em meio ao descontentamento popular pela escassez de alimentos e remédios, além dos cortes de luz e água, Maduro deu mostras de radicalismo nos últimos dias

A crise venezuelana entra nesta semana em uma nova etapa de tensões, com um país sob estado de exceção e os opositores decididos a seguir pressionando nas ruas por um referendo revogatório contra o presidente Nicolás Maduro.

Em meio ao descontentamento popular pela escassez crescente de alimentos básicos e remédios, além dos cortes diários de luz e água, e a maior inflação do mundo, Maduro deu mostras de radicalismo nos últimos dias.

Na sexta-feira prorrogou um decreto de emergência econômica em vigor desde janeiro, mas de forma surpreendente acrescentou a ele um estado de exceção por três meses. Não descartou inclusive prorrogá-lo sucessivamente até 2017.

Espera-se que nesta segunda-feira sejam divulgados os alcances da medida, que costuma restringir o direito de protesto e de reunião, e autorizar detenções e buscas sem ordem judicial.

Por enquanto, Maduro ordenou tomar as indústrias paradas, colocando na mira quatro fábricas da cervejeira Polar – principal produtora de alimentos e bebidas do país – fechadas por falta de divisas para comprar insumos no âmbito do ferrenho controle cambial.

O governo justifica o estado de exceção por um suposto complô dos Estados Unidos e de líderes opositores para intervir no país com as maiores reservas de petróleo do planeta, sob o pretexto de uma crise humanitária.

Diante desta “ameaça externa”, Maduro ordenou a realização no próximo sábado de exercícios militares.

O presidente também fundamenta o estado de exceção na necessidade de tomar medidas drásticas contra a “guerra econômica” que, segundo ele, a oposição e a direita executam para levar à escassez e lançar o povo contra ele.

Neste contexto, mobilizou um plano para o abastecimento de produtos básicos subsidiados sem intermediários, e se comprometeu a flexibilizar o controle de preços em troca de que algumas indústrias elevem a produção.

Estado de exceção à prova

Mas os sinais de radicalização vão além do presidente socialista, cuja gestão é reprovada por 68% dos venezuelanos, segundo a empresa Venebarómetro.

O vice-presidente, Aristóbulo Istúriz, rejeitou no domingo a possibilidade de que o herdeiro político do falecido Hugo Cháfez (1999-2013) deixe o poder mediante um referendo.

“Aqui Maduro não vai sair por referendo porque primeiro aqui não vai haver referendo. (…) Eles sabem que não vai haver referendo porque primeiro o fizeram tarde, segundo o fizeram mal e em terceiro cometeram fraude”, disse Istúriz, referindo-se às assinaturas entregues pela oposição para que o processo seja ativado.

“Terão que matar a todos nós antes de dar um golpe parlamentar”, advertiu em referência ao fato de a oposição controlar amplamente o Legislativo desde janeiro.

O estado de exceção será colocado à prova na próxima quarta-feira, quando a oposição planeja marchar em direção às sedes do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) em todo o país pedindo o cumprimento dos prazos para que o referendo revocatório seja realizado neste ano.

“A oposição sabe que o protesto é o único mecanismo para escalar a pressão, e o governo precisa deter esta tendência”, disse à AFP o analista Benigno Alarcón.

Mobilizações similares foram bloqueadas na última quarta-feira por policiais e militares, desencadeando confrontos.

O líder opositor Henrique Capriles, atingido por gás lacrimogêneo na ocasião, advertiu no sábado sobre o risco de que o governo e o CNE – acusado por ele de servir a Maduro – “tranquem” a consulta.

“A Venezuela é uma bomba que a qualquer momento pode explodir. E, portanto, convocamos todo o povo a se mobilizar para o revocatório”, disse, ressaltando que esta é a saída pacífica à crise.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s