Cristina Kirchner não estará presente na posse de Macri

O conflito aberto pela cerimônia de posse de Mauricio Macri continuou com a decisão da presidente em fim de mandato de não participar da posse de seu sucessor

Buenos Aires – O insólito conflito aberto na Argentina pela cerimônia de posse de Mauricio Macri continuou nesta terça-feira com a decisão da presidente em fim de mandato, Cristina Kirchner, de não participar da posse de seu sucessor na próxima quinta-feira.

“Não estão dadas as condições para que a presidente compareça ao Congresso”, disse hoje Oscar Parrilli, um dos homens mais próximos a Cristina.

“Entre isto e um golpe de Estado existe muito pouca diferença”, denunciou Parrilli, um dos funcionários kirchneristas que participou hoje nas reuniões com representantes de Macri para tentar chegar a um acordo sobre a cerimônia de transferência de poderes.

A insólita polêmica que travou a transição argentina se aguçou nas últimas horas pela decisão de Cristina de organizar a transferência de poderes no Congresso, quando seu sucessor pretendia assumir na Casa Rosada, sede do governo.

O desencontro derivou em uma medida cautelar solicitada hoje por Macri à Justiça para que se antecipasse à meia-noite de quinta-feira sua consideração como presidente, em um cenário inédito no país.

O procurador que recebeu a causa, Jorge di Lello, emitiu uma sentença favorável à solicitação que precipitou a decisão de Cristina de não comparecer à cerimônia.

Segundo Parrilli, esse cenário aberto fará com que “não haja presidente durante 12 horas” na Argentina.

“Parece que a atitude de Macri de recorrer à Justiça serve para pôr uma cortina de fumaça. O engenheiro e sua equipe são os responsáveis por esta gravidade institucional”, acrescentou.

O final do mandato do presidente está submetido a distintas interpretações: para alguns juristas conclui formalmente à meia-noite da quinta-feira, mas para outros, pode se prolongar até o juramento do cargo de seu sucessor.

Segundo a Constituição, o presidente deve jurar seu cargo no Congresso, mas não há uma regulação específica sobre como ou onde receber os atributos de comando, o bastão e a faixa presidencial.

Mauricio Macri quer jurar seu cargo perante o Congresso e depois receber o bastão e a faixa em cerimônia solene na Casa Rosada, enquanto Cristina pretendia realizar todo o trâmite no recinto parlamentar.

Macri quer evitar que a mobilização kirchnerista convocada em frente ao Congresso durante a cerimônia manche sua posse e Cristina não quis ceder durante dias em uma última demonstração de poder.

Com a decisão de hoje de Cristina, Macri jurará seu cargo no Congresso perante sua vice-presidente, Gabriela Michetti, segundo informou a aliança Cambiemos. Depois, pronunciará sua primeira mensagem presidencial e se transferirá à Casa Rosada. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s