Derrubar acordo com Irã é golpe de autodestruição, diz Kerry

Em sua avaliação, a saída unilateral do país do pacto fortaleceria os extremistas iranianos e o sentimento antiamericano dentro do país

Washington – Em discurso na Filadélfia, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, afirmou que a eventual derrubada do acordo nuclear com o Irã pelo Congresso seria um golpe de “autodestruição” dos Estados Unidos.

Em sua avaliação, a saída unilateral do país do pacto fortaleceria os extremistas iranianos e o sentimento antiamericano dentro do país. Além disso, o regime de sanções internacionais dificilmente sobreviveria a uma eventual rejeição, observou.

“Eu realmente acredito que o mais rápido caminho para uma genuína corrida armamentista no Oriente Médio é não ter este acordo”, observou Kerry em entrevista antes de seu discurso na Filadélfia.

Nesta quarta-feira, o presidente Barack Obama conseguiu apoio no Congresso para garantir a manutenção do acordo costurado por sua administração em torno do programa nuclear do Irã, que deve ser um dos principais legados de sua política externa.

O pacto ainda pode ser rejeitado pela maioria republicana, mas a Casa Branca agora tem o número suficiente de votos para sustentar o veto presidencial a uma eventual decisão nesse sentido.

O 34º voto em favor de Obama foi anunciado nesta manhã pela senadora Barbara Mikulski, democrata de Maryland. “Nenhum acordo é perfeito, especialmente um negociado com o regime iraniano”, disse a parlamentar em nota sobre sua posição. Mas ela ressaltou que o pacto é “a melhor opção disponível para impedir o Irã de ter uma bomba nuclear”.

Com 54 dos 100 votos no Senado, a oposição republicana promete votar em bloco em favor de uma resolução que rejeite o acordo negociado por Kerry com o Irã e outras potências mundiais: China, Rússia, Inglaterra, Alemanha e França.

Obama já anunciou que vetará uma eventual resolução. Para derrubar o veto, os republicanos precisariam de dois terços dos votos da Casa. Com os 34 apoios obtidos até esta manhã, Obama tem o número necessário para manter sua decisão.

Anunciado em julho, o pacto tem o objetivo de impedir o Irã de construir bombas atômicas. Em troca de restrições ao programa nuclear do país, os Estados Unidos concordaram em suspender parte das sanções econômicas impostas à República Islâmica.

John Kerry ressaltou que há apoio internacional ao pacto, com exceção de um país – apesar de o secretário não o ter nomeado, estava claro que falava de Israel.

Em seu discurso, o secretário afirmou que o apoio militar e diplomático dos EUA a Telavive continuará inabalável.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, é crítico do acordo e há poucos meses fez um discurso no Congresso dos Estados Unidos no qual pediu sua rejeição.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s